Este tema é, para muitos de nós, um assunto cansativo. Todos gostamos de ter a casa (minimamente) arrumada, incluindo as divisões mais «difíceis» como o quarto dos filhos. Por outro lado, queremos incutir-lhes a responsabilidade pela arrumação das suas coisas, ao mesmo tempo que procuramos respeitar o seu direito à independência e a tomarem algumas decisões por si mesmos. Desta forma, perante a desarrumação no quarto dos filhos, temos basicamente três hipóteses.

 

Hipótese 1: fechar a porta

Os pais que optam por esta atitude consideram que o quarto é a divisão da casa a cargo da criança. Tudo o que se passa para lá daquela porta é da responsabilidade dos filhos e não dos pais. Eles que se entendam no meio da confusão. O que estes pais pensam é que a arrumação não é um caso de vida ou de morte e não justifica qualquer guerra com os filhos que perturbe o bom ambiente familiar. A única coisa que pedem às crianças é que a porta do quarto esteja sempre fechada. «Longe da vista, longe do coração».

 

Noutros casos, não nos importamos com a desarrumação em geral mas consideramos justo colocar algumas regras básicas. Por exemplo, a roupa suja deve ser colocada no cesto próprio na casa de banho ou a comoda pode não sair da cozinha. Desde que obedeçam a estes princípios, que consideramos fundamentais, tudo o resto é com eles.

 

Mas para muitos de nós esta hipótese não funciona de todo. Ou porque consideramos inaceitável a desarrumação e, mais do que isso, a ordem e a arrumação são valores que consideramos importantes, que valorizamos e que queremos transmitir. Ou porque achamos que os filhos mais velhos devem dar o exemplo aos mais novos, pelo que todos têm de afinar pelo mesmo diapasão, e os quartos têm de estar todos arrumados. Ou ainda quando o quarto é partilhado por vários irmãos e, sendo um desarrumado, os outros não vivem felizes na arrumação. Quando é assim, fechar a porta não é solução.

Hipótese 2: limpeza semanal

Neste caso, a criança deve comunicar connosco um dia e uma hora para arrumar o quarto. Devemos também combinar previamente com ela o que consideramos um quarto arrumado, pois a nossa perspetiva sobre este assunto pode não coincidir exatamente com a perspetiva da criança. Nestes casos é fundamental não facilitar. À hora estipulada o quarto deve ser arrumado, sem desculpas de última hora ou impedimentos imprevistos. Depois do quarto arrumado a nossa vistoria deve ser rigorosa, tendo em conta o que foi acordado previamente com a criança. Se tudo estiver bem devemos fazer um elogio e a criança ter a liberdade para fazer o que quiser a seguir. Caso algo não esteja como esperado, devemos chamar a atenção e deixar que a criança corrija o erro.

 

Nas crianças mais velhas, quando já recebem mesada ou semanada, devemos estipular que parte desse dinheiro é merecido pela ajuda nas tarefas domésticas, incluindo arrumar o quarto. Sendo assim, podemos retirar à criança parte da mesada se determinada tarefa , considerada como de rotina, for constantemente ignorada, num exemplo de consequências lógicas. A mesada nunca deve ser entendida pela criança como um dado adquirido e pequenas tarefas da responsabilidade dos filhos que acabam por ser realizadas por nós devem ter como consequência uma redução no dinheiro a receber. Nas crianças mais pequenas, podemos usar estratégias complementares como usar um cronómetro para que a criança saiba quanto tempo dispõe para terminar a tarefa, ou construir uma tabela com vários itens como rapidez, limpeza e arrumação, que a criança deve completar.

 

Hipótese 3: limpeza diária

Esta solução, ideal para muitos pais, é a mais difícil de concretizar. É em tudo semelhante à anterior, mas a criança deve combinar connosco um período, ao fim do dia, em que se dedica à arrumação do quarto. Não podemos esperar a perfeição e temos de ser realistas. O ótimo é inimigo do bom.

 

Regras de Ouro

• Manter o quarto arrumado deve ser uma opção, em função do temperamento da criança e da vontade dos pais.

• Várias estratégias são possíveis, desde deixar a responsabilidade na criança ou combinar com ela a periodicidade para a arrumação.

• Nas crianças mais velhas, parte da mesada ou semanada deve ser merecida pela ajuda em pequenas tarefas domésticas, como arrumar o quarto.

• Nas crianças mais novas, o uso de um cronómetro ou a construção de uma tabela podem ser úteis.

• Devemos elogiar os nossos filhos sempre que cumprem com êxito as suas obrigações.

 

 

Adaptado por Maria João Pratt

Fonte: Não te volto a dizer! (2ª edição), de Paulo Oom; edições Matéria-Prima.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.