O Solstício de Inverno já foi e aqui está com toda a sua característica profundidade e magia.

O solstício é a noite que celebra o renascimento da luz (um dos principais motivos pelo qual foi escolhido este tempo para celebrar o nascimento de Jesus, segundo a tradição católica).

Por isso, por esta altura, tendemos naturalmente a acender velas, o fogo da lareira ou a fogueira, como homenagem à luz, ao calor, à vida. Tendemos também a honrar os pinheiros e azevinhos — plantas que se mantêm sempre verdes, sempre vivas. Plantas e árvores que tanto nos ensinam sobre a vida, os seus ciclos e a eternidade.

O inverno representa o período de descanso e recolhimento da terra para se nutrir. As chuvas, o vento e frio trazem o necessário às sementes fortes e audazes que silenciosamente germinam nas profundezas. Dentro.

Também é tempo de o fazermos em nós, nas nossas vidas. O germinar nas e das entranhas.

Tempo de recolhimento, nutrição, aprumo e fortalecimento das nossas raízes e estruturas interiores.

Tempo de auto reconhecimento de tudo o que foi e de tudo o que ficou, de tudo o que já não é e de tudo o que é, cresce e se manifesta.

Tempo de cuidar deste renascimento e a sua gestação.

Tempo de ninho e de aninhar, de abraços profundos, contos de histórias longas aos olhos curiosos, gargalhadas quentes em união familiar sob a mesa recheada de preciosidades e surpresas criadas em conjunto e em criatividade ao calor da lareira, ao calor do amor que nos une, que nos move e nos ritma o peito.

Tempo de inspirações longas, bons livros, bons filmes, lágrimas e sorrisos do corpo e alma.

Tempo de reciclagens, cozinhados demorados e deliciosos que perfumam a casa, acompanhados de chá, café ou vinho de fruta quente.

Tempo de olhar e sentir a chuva, o vento e o frio com o calor da nossa alma, aprendendo com a natureza, como purga, transforma, renasce, fortalece e cria e recria vida e movimento a cada ciclo.

Tempo de ir (bem quentinho) à biblioteca mais viva e sagrada deste Mundo, a floresta, a montanha, o mar — a natureza. Em silêncio ouvir, sentir e integrar o tanto que são.

Por este tempo solsticial cria uma tradição tua/vossa, um momento teu/vosso de introspeção, gratidão, integração e criatividade. Que haja também um momento de semeio e compromisso para contigo e o ciclo seguinte, para com o teu emergir à luz do sol, no seu tempo. Seja o que for, faz com tempo, amor, dedicação e vida. Algo que te ajude a olhar para dentro, ou a deixar que te expresses naturalmente para te veres.

Vivemos agora o tempo da noite que dará à luz o radioso dia. Vive-te com amor, fé e fogo interior. Presente.

Celebremo-nos entre o que e quem amamos, celebremos toda esta vivência que somos e da qual fazemos parte, honrando a vida abundante com que fomos e somos abençoados.

Que seja um inspirador Solstício para um quente, mágico, audaz e transformador inverno.
Que assim seja
Doces e quentes celebrações em amor, alegria, vida e cor.
Um doce e forte abraço em silêncio e profundo amor.
Nádia

https://www.facebook.com/NadZka-1422476438012313/?fref=ts
www.nadzka.weebly.com
nadia.nadzka@gmail.com

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.