Crónicas Marta Andrade Maia

Licenciada em Marketing e Gestão, dei o meu primeiro passo no mundo das marcas com um PG em branding e com o trabalho do dia a dia. Descobri um mundo de blogues cor de rosa, mas que estava a precisar de um espaço dedicado aos meninos, ao azul, aos dinossauros e aos foguetões. Um infinito mundo azul cativante e inspirador. Autora do My Baby Blue Blog

  • Caro Pai Natal

    Sinceramente, tem que se esforçar mais do que isto, pois se continuar assim, serei obrigada a rescindir contrato e procurar outra tradição que ofereça mais regalias e acompanhamento às mães

  • Criar dá muito trabalho

    Ter que comprar roupa nova para cada estação, quente, e do tamanho adequado. E ter que coordenar as peças para que não fique com ar de muito maltrapilha. Ter que estar sempre a tirar fotografias para mais tarde recordar, com álbuns e mais álbuns, anos após anos, vídeos após vídeos. E ter que desenvolver um sistema de organização mais infalível

  • Ser mãe explicado, bem explicadinho

    Devia estar com ar péssimo, com os olhos esquisitos, o nariz vermelho, e quase sem voz, pois pergunta com ar sério...

  • A propriedade de um nome

    Quando descobrimos que estamos grávidas, uma das primeiras coisas que nos vem à cabeça é o nome do bebé. Como ainda não sabemos se vai ser menina ou menino, mentalmente fazemos uma seleção dos nossos favoritos, aqueles que desde pequeninas já gostávamos, e aqueles que achamos que poder ser uma boa escolha

  • Querida amiga sem filhos

    Convida-me para jantar, com duas semanas de antecedência, e eu consigo organizar a minha vida para tentar ir. Não prometo, pois muito depende do alinhamento dos planetas e dos astros para aquela noite. Se conseguir arranjar uma babysitter, se o bebé não estiver doente, nem ameace estar, e se eu conseguir ter dormido decentemente nos dias anteriores, eu tento ir

  • Daltonismo em tons de azul

    Loucura instalada no armário, em tons de azul (e não só)

  • Por favor, não eduquem o meu filho!

    Eu estou aqui, não sou invisível, e sim, também não ouvi o obrigada

  • Lei de Murphy cá de casa

    Já ouviram certamente falar na Lei de Murphy. Aquela lei que basicamente diz que que tudo o que possa correr mal, mesmo se com uma ínfima probabilidade de correr mal, irá, obviamente, correr mal.

  • Ideia para desenvolverem e ficarem ricos

    Surgiu-me numa daquelas noites em que estamos a olhar para o teto a tentar dormir, mas a cabeça ainda está meio atordoada e não consegue descansar, começando a surgir ideias. Ideias de génio.

  • A minha mamã

    "É a minha mamã e do meu mano, É muito linda e amorosa, Dá-me muitos beijinhos"

  • A minha vai melhorar bastante!

    Os 5 minutos prolongaram-se para 15 e, segundo me informaram, iam para Paris, de Espanha, de férias, dirigiam-se para o corredor.

  • Estou feita!

    Tenho a minha casa lentamente a desfazer-se, e temo que não sobreviva ao pirata residente!

  • Dos Algarves

    O Algarve que é meu, teu, mas não nosso. O que se ouve por aqui.

  • Conselhos de amiga

    Ainda bem que partilhei tanta sabedoria, quem é amiga quem?

  • (Ter) O terceiro filho ?

    Somos 4, mas talvez, e a se a vida deixar, se a família quiser, quem sabe, podemos ser 5.

  • A odisseia do feijão-verde

    Depois de ter passado a fase de embirrar com o leite, com a papa, com a carne , com o arroz branco simples, e com as ervilhas, eis que veio a fase do feijão-verde.

  • Casamento instantâneo

    Agora não posso tirar do dedo, somos marido e mulher.

  • Só podem ser filhos do pai

    Aquele bebé pertence inequivocamente àquela família paterna, e até levanta dúvidas se terá alguns laços com os outros, do lado da mãe.

  • Otites selectivas

    O chocolate cura os problemas auditivos, mesmo aqueles mais persistentes e recorrentes

  • A inocência pura das crianças

    Das coisas mais giras que ouvi esta semana, que nos faz pensar nas pequenas coisas boas da vida (que por vezes ignoramos).

  • O significado dos avós

    O meu elo com o passado deixou de existir. Claro que, felizmente, tenho os meus pais e irmãos, mas já não tenho avós.

  • O índio do meu anjinho

    Já referi algumas vez, aqui e no blog, que tenho um filho "com ideias" e com "muitas habilidades"

  • A praxe: Das coisas que não percebo

    Leio aqui, leio acolá, uns contra e outros tantos a favor. Agitação e exaltação da maioria e silêncio (inexplicável) de outros. Manifestações para provar uma questão, que por muito que tente perceber, simplesmente transcende-me.

  • Filhos: uma tarefa interminável

    Esta recente tragédia deixou o país inteiro incrédulo, perplexo, os pais de estudantes universitários em choque e as restantes famílias portuguesas em estado de alerta

  • Os Pais de hoje

    Se dantes as mães ficavam em casa a ver crescer os seus filhos e a garantir que a rotina familiar (e doméstica) era mantida, e cuidavam dos seus pequenos e tratavam deles, hoje, já se pode dizer que é uma tarefa a dois.

  • A nossa casa somos nós

    A nossa casa, o nosso lar, somos nós. Nós e as histórias vividas e contadas. Só nós, a dar o nosso melhor a fazermos o que sabemos e a aprender o que não sabemos.

  • Cumplicidade (dos irmãos)

    Não se ensina, não se aprende, não se sabe explicar nem traduzir, esta cumplicidade inata, consanguínea e imaterial, (só) sentida pelos irmãos e irmãs

  • Deve ser bom ser bebé

    Não deve ser difícil ser bebé, e presumo que seja até muito agradável

  • A imaginação e o faz de conta

    Imaginar e sonhar é tão importante para qualquer criança e tão fundamental para o seu crescimento que tem que ser estimulado pelos pais, irmãos, amigos, livros, filmes e muito mais.

  • Dizer não: Quando temos que ceder

    Por vezes confesso que sou eu a primeira a ceder. Claro que se for uma situação que veja que não há perigo, que não magoa, não parte não estraga, às vezes tenho que ceder.