Dieta flash para purificar corpo e mente

Tem cometido alguns excessos? Descubra o plano de que o seu organismo precisa para deixar de se sentir inchado e conseguir recuperar o equilíbrio

Os períodos de férias e as épocas festivas são, geralmente, marcadas à mesa por «exceções hipercalóricas, que resultam na acumulação de gordura (aumento de volume dos depósitos de células gordas já existentes), inchaço, má digestão e mal-estar generalizado», descreve a nutricionista Lillian Barros. Quer pela quantidade quer pela qualidade nutricional, o nosso organismo não tolera estes excessos por muito tempo e avisa-nos que está a atingir um limite através da sensação de «enfartamento, azia, refluxo, distensão abdominal, prisão de ventre, retenção de líquidos e acumulação de gases».

São sinais de alarme que denunciam que nem a nossa saúde nem a nossa silhueta estão em forma  e que devemos inverter  este quadro. Lillian Barros respondeu às nossas (suas) perguntas sobre o tema e preparou um plano para si.

Porque nos sentimos inchados?

Há vários fatores que podem influenciar a retenção de líquidos e conferir a sensação de inchaço. O excesso de calorias associado a um menor dispêndio das mesmas, pratos mais pesados ricos em gorduras e sal que provocam sintomas fisiológicos que aumentam o desconforto e a sensação de enfartamento, a própria velocidade rápida de ingestão dos alimentos (associado normalmente à entrada de ar) e a fraca qualidade das refeições, das entradas, das sobremesas e dos snacks, entre outros.

Que alimentos mais contribuem para este inchaço festivo?

Os pratos mais pesados com grandes quantidades de gordura, laticínios gordos, doces e sobremesas, fritos e todas as bebidas alcoólicas mas, sobretudo, as destiladas, mais concentradas em álcool e calorias. Neste caso, a solução passará pela moderação e pela preferência pelo vinho tinto, rico em antioxidantes. Quanto maior o teor alcoólico, pior o aporte calórico, sobretudo tratando-se de calorias vazias, que não têm funções especificas no organismo, são inúteis e apenas se acumulam.

Que estratégias ajudam a evitar a sensação de inchaço?

Não estar muitas horas sem comer, evitando assim sentar-se à mesa em hipoglicémia, já em carência. Quando isto acontece, o excesso alimentar é garantido e as más digestões e distensões abdominais são muito comuns. Mesmo em dias de festa, devem comer-se pequenos snacks saudáveis. Mantêm o equilíbrio e fornecem a energia necessária, impedindo que o organismo sinta necessidade de entrar em compensações.

Outra estratégia é começar a refeição com entradas pouco calóricas, nomeadamente sopa de legumes ou salada com uma base verde, como rúcula, alface, agrião e outros vegetais, como tomate cereja, cogumelos frescos laminados, espargos, cebola e até mesmo fruta ou sementes.

Quais as vantagens?

Ajudam a controlar o apetite e reduzem o volume gástrico disponível para o prato principal. Quando este chegar, acompanhe-o com legumes, salada ou hortaliça. Cerca de metade do prato deve ser ocupada por estes vegetais, para reduzir o valor calórico e não a quantidade ingerida. Quanto às sobremesas, recomendo apenas provar e prepará-las com ingredientes alternativos, mais saudáveis, como é o caso de lácteos magros, natas/cremes ou leites de origem vegetal, farinhas integrais e mel ou açúcar mascavado.

Veja na página seguinte: O que fazer depois de instalada a sensação de inchaço

Comentários