Dorme bem, querido

Ensinar o bebé a dormir: trabalho para os pais que compensa (todos). Adormecer o bebé: trabalho para os pais que desgasta (todos).

Ensinar a dormir é um investimento de tempo e dedicação que dá trabalho (não é novidade: orientar e educar um filho dá trabalho!). Mas os frutos são de um alcance visível, altamente recompensador, e provado em diversos estudos tanto para o desenvolvimento e bem estar excelente do bebé como imediatamente para todo o conjunto da experiência Parental.

 

Algumas vezes, sou deparada com a “surpresa”! “ Ah… achei que por estar certo era mais rápido”. Ao ser confirmado que para alcançar qualquer conquista mais sólida com o bebé, no sono ou fora dele, raramente se trata de um evento mágico e imediato, mas sim de um caminho a percorrer tal como qualquer conquista que envolva processo de aprendizagem e hábitos.

 

Há benefícios de começar cedo. O bebé está a aprender praticamente tudo, aprender a viver e esta aprendizagem é mais uma necessária. Comparando o tempo que uma criança está apta a aprender a andar, sensivelmente aos 12 meses, a aprendizagem afeta ao sono é alcançada realmente rápido, no entanto, precisa consolidação, conta com desafios físicos, cognitivos e emocionais normais ao longo do desenvolvimento - isto senão se contar já com hábitos indesejados a resolver no caminho! - o sono tem “costas largas”, mas num bebé saudável, tem variáveis mais facilmente controláveis, comparativamente a uma criança ou jovem.

 

Adormecer um bebé de forma induzida é um evento mais imediato. Verdade! Mas é também uma solução de curto prazo, que tende a médio longo prazo, dar cada vez mais trabalho aos Pais e menos autonomia, autoconfiança e noção de segurança aos filhos. No que toca à qualidade, duração, distribuição e continuidade do sono, esta solução de curto prazo é comprometedora do sono - tem “perna curta”- é uma das grandes causas do mau/pouco sono dos bebés.

Mas ensinar a dormir, envolve muito mais do que articular apenas medidas no momento exclusivo de ir dormir, tal como seria apenas ao se induzir o adormecer do bebé.

 

Ensinar a dormir, no seu momento exclusivo de ir dormir, pressupõe de forma muito redutora, deitar o bebé antes de estar a dormir, ou parar de acalmar o bebé antes de ele estar a dormir, para poder conciliar o sono de forma independente! Parece tão simples! Mas isso não é garantia absoluta, porque ensinar a dormir não é evento que se encerre apenas na fórmula da conciliação do sono.

 

Ensinar a dormir pressupõe dar a oportunidade orientada ao bebé de regular a distribuição do sono, a duração e continuidade deste. E tudo isto não vive sem a harmoniosa articulação com os ritmos de alimentação, atividade e sua tipologia. Não porque dá jeito aos Pais, mas sim com base na sua fase de desenvolvimento, fornecer o número de horas de sono e sua distribuição óptima, para viver dia após dia, após semana, após mês, vivências de um bem-estar superior. Assim optimiza todos os outros campos como alimentação, comportamento, conquistas de actividade, formando no conjunto  o bom desenvolvimento de toda a estrutura física, emocional e cognitiva. Os pilares onde toda a vida futura vai acentar. 

Comentários