Nozes têm uma ação antioxidante, anti-inflamatória e anticancerígena

Os frutos da nogueira, que também são as suas sementes, têm propriedades terapêuticas de relevo. Além de polifenois, incluem juglona. Especialistas dizem que se deveriam ingerir 20 g por dia

Originária da Arménia, Irão e algumas zonas da Ásia, a nogueira é bastante cultivada em Portugal. As nozes são, na realidade, as sementes da nogueira e não o seu fruto. São muito utilizadas na cozinha oriental e do médio oriente. Os seus princípios ativos são amplamente reconhecidos. As nozes contêm juglona, que possui uma ação antissética e antifúngica, assim como polifenois como o ácido elágico, presente também em frutos como as romãs, cerejas ou amoras.

Estas exercem ainda uma ação antioxidante, anti-inflamatória e anticancerígena, atuando ainda nos níveis de colesterol LDL. As nozes são ricas em taninos, com ação adstringente e reparadora dos tecidos. Também contém melatonina, com efeito antioxidante e regulador do sono.

Principais propriedades

As folhas da nogueira podem ser úteis no tratamento de quistos, miomas e endometriose. As nozes são conhecidas pela sua ação desintoxicante e purificadora do sangue, assim como por atuarem na diminuição dos níveis de mau colesterol e estimularem a atividade cerebral. As suas folhas ajudam a combater inflamações e infeções do estômago e intestinos.

Este fruto é ainda hipoglicemiante e adstringente, sendo eficaz na diarreia e estimulando a reparação de lesões no aparelho digestivo. As nozes melhoram a função endotelial, reduzindo o risco de doenças cardiovasculares.

Administração

Por via oral, pode ingeri-la sob a forma de chá (uma colher de sopa para uma chávena duas vezes por dia) ou em irrigações vaginais. As nozes são consumidas como alimento, não tendo uma dose máxima. Como dose mínima, recomenda-se 20 g por dia.

Veja na página seguinte: O que dizem os estudos científicos

Comentários