Hiperativo ou apenas irrequieto?

Entre 3% a 10% das crianças apresentam problemas de hiperatividade. Conheça os sinais de alarme por detrás do termo que se vulgarizou entre os pais. Muitas vezes sem razão...

Tem um filho pequeno ou adolescente que anda sempre a mil à hora e com a cabeça no mundo da lua? Saiba que está longe de ser caso único! Chegou a colocar a hipótese de que é hiperativo? Com essas características, é possível, mas pouco provável. Apesar de ser cada vez mais comum ouvirmos pais afirmarem que os filhos são hiperativos, os estudos estimam que 3% a 7% das crianças em idade escolar sofrem de perturbação de hiperatividade e défice de atenção (PHDA), sendo os rapazes os mais afetados.

«Verifica-se um aumento do número de casos diagnosticados, mas não porque a sua frequência aumentou. Existe apenas uma maior sensibilidade das pessoas que lidam com crianças (como pais, professores e técnicos de saúde) para estarem atentos aos vários sintomas» esclarece Mafalda Navarro, psicóloga especializada nesta área. «A perturbação de hiperatividade e défice de atenção afeta entre 5% a 10% cento das crianças em idade escolar, afirmaram já publicamente os coordenadores do Clube PHDA.

Os riscos do rótulo

Não estando ainda hoje totalmente definida pela comunidade científica, acredita-se que na origem desta perturbação estarão fatores como a herança genética e um ambiente propício ao seu desenvolvimento. Trata-se de «uma perturbação psiquiátrica caracterizada por um padrão constante de desatenção, hiperatividade e impulsividade, capaz de comprometer relacionamentos interpessoais e o próprio rendimento escolar», descreve Mafalda Navarro.

Uma criança ou um jovem hiperativo e com défice de atenção está longe de ser, simplesmente, alguém com bichos carpinteiros ou com a cabeça no ar, apesar de estes serem dois dos vários sintomas da PHDA. «É uma perturbação que pode ser confundida com questões próprias do desenvolvimento da criança, ou da sua educação, que poderão ser corrigidas ao longo da adolescência e vida adulta», distingue a psicóloga.

«Uma PHDA mal diagnosticada é um rótulo muito perigoso, que acompanhará a criança durante todo o seu desenvolvimento, podendo até condicioná-lo», esclarece, ainda, Mafalda Navarro, psicóloga especializada nesta área. O diagnóstico é, por isso, essencial e fundamental, até para encaminhar a criança ou o adolescente para o tratamento mais adequado. Um estudo publicado no Journal of Pediatrics diz que a prática de exercício físico pode ajudar.

Como ter a certeza? 

Perante a suspeita de pais e/ou educadores, a criança deverá ser avaliada por um neurologista ou psiquiatra. «A recolha de informação segue um protocolo específico, direcionado à criança, aos pais e à escola, que deverá avaliar aspetos neurológicos, neuropsicológicos cognitivos, psicossociais e familiares. Fazem-se variadíssimos testes psicológicos, exercícios de memória, provas de raciocínio matemático e concentração, por exemplo, que nos ajudarão na avaliação», afirma a especialista.

«Mas esta deve ser multidisciplinar, pois necessita da intervenção e apreciação de diferentes técnicos. Em complemento, um psicólogo usará uma bateria completa de testes psicológicos ou neuropsicológicos que complementem a informação recolhida», explica ainda. A importância de um bom diagnóstico é, por isso, fundamental. Uma criança poderá estar apenas excessivamente agitada, por exemplo, devido a uma crise familiar momentânea ou a uma alteração na sua rotina.

Veja na página seguinte: Como enfrentar e tratar o problema

Comentários