Como construir uma relação de confiança com o seu bebé - Peça matriz para o sono

É a existência de um bom relacionamento com os pais que torna um indivíduo capaz de formar relações duradouras e satisfatórias

A família tem um papel decisivo no desenvolvimento psicológico do bebé/criança, pois é a qualidade das experiências emocionais precoces que lhe confere a capacidade de investir no meio extra-familiar e a confiança básica necessária para que este investimento ocorra com sucesso. É através de respostas adequadas aos sinais do bebé que a mãe vai atribuindo significado àquilo que este sente, e o bebé vai construindo um sentimento de segurança básica nos outros e na crença de conseguir comunicar e ser correspondido. Esta segurança é fundamental para o estabelecimento de bons hábitos de sono, sem ela será impossível ensinar o bebé a acalmar-se e conseguir adormecer autonomamente.

 

O processo de vinculação (segundo Bowlby) vai constituir uma matriz fundamental para o posterior desenvolvimento emocional e relacional da criança. É a existência de um bom relacionamento com os pais que torna um indivíduo capaz de formar relações duradouras, satisfatórias e íntimas com os outros e com o mundo.

 

No entanto, é muitas vezes confundida pelos pais a ideia de criar uma boa relação com o excesso de zelo, ou que para demonstrar afeto se tenha que andar com o bebé sempre ao colo ou de o adormecer nos braços. O bebé tem um grande potencial de aprendizagem e se, por exemplo, aprender a sentir-se seguro apenas no colo da mãe ou a depender desta para se acalmar e adormecer, não se sentirá apto a desenvolver as suas pequenas explorações muito longe dela. Inadvertidamente, esta tendência vai contribuir para mais situações de desconforto e choro sempre que houver a necessidade de separação – seja quando a mãe sai da divisão, ou de manhã quando sai de casa para ir trabalhar, ou até mesmo a separação necessária para dormir. Pelo contrário, sentindo confiança na relação, o bebé vai tendo movimentos de afastamento e aproximação sucessivos, autonomizando-se progressivamente.

 

Desenvolver uma relação através da confiança com o bebé/criança, em vez de uma relação pela continuada dependência, tem impactos muito diferentes em todas as áreas do desenvolvimento. É importante clarificar que para o progressivo estabelecimento da autonomia é fundamental que não se prive o bebé de carinho e amor, pois é este o elo fundamental da relação pais-filhos. Igualmente importante é sublinhar que a autonomia não deve ser entendida como afastamento ou falta de ligação. Educar é um ato de amor que privilegia a noção de perspetiva e a continuidade do bem-estar, e embora se baseie sempre na vivência do momento presente, tem os olhos postos no futuro. 

Comentários