De redação de jornal a hotel de luxo surpreendente

Em Londres, o Hotel One Aldwych trouxe uma nova vida a um edifício eduardiano. Um português ajudou esta unidade hoteleira a ganhar fama. E a piscina com música também!

Adaptando a expressão usada por Vasco Santana no filme «A canção de Lisboa», hotéis há muitos, mas poucos conseguem ter o charme muito próprio que o Hotel One Aldwych, localizado numa das áreas mais animadas e prestigiadas do centro de Londres, exibe. E não é preciso muito para o perceber. Basta transpor a porta do edifício onde, em tempos, funcionou a redação do jornal Morning Post para o constatar. Veja a galeria de imagens deste hotel.

O acesso à receção é feito pelo Lobby Bar, uma divisão moderna com um pé alto surpreendente, decorada com peças de arte e muitas flores, combinadas com mobiliário contemporâneo, ainda que de inspiração mais clássica e tradicional. A reformulação interior do prédio esteve a cargo de Charles Mewes e Arthur Davis, dois consagrados arquitetos que viram o seu trabalho sublimado.

Uma conceção estética marcada pela requintada escolha de pormenores estéticos diferenciadores que a equipa de decorações de interiores contratada pela administração desta unidade hoteleira de cinco estrelas. É impossível não reparar nos remos de cerca de três metros que se erguem da estátua estrategicamente posicionada à entrada do bar, nos grandes jarrões ou nos pormenores estéticos das janelas de grandes dimensões por onde entra o brilho da luz exterior.

A dois passos dos grandes teatros

Situado a escassos metros de Covent Garden, em plena zona dos grandes teatros, o Hotel One Aldwych é o ponto de partida perfeito para explorar o  West End londrino, onde não faltam lojas, restaurantes e pontos de interesse. Equipada com 105 habitações, 93 quartos e 12 suites, esta unidade hoteleira, que já recebeu vários prémios e distinções, aposta no conforto e na personalização de serviços para se diferenciar da concorrência, que é muita.

«Como o hotel pertence a um privado e é independente, a nossa equipa consegue prestar mais atenção aos hóspedes do que os hotéis maiores, detidos por grandes cadeias», justifica Howard Rombough, diretor de relações públicas da unidade. Modernos, confortáveis e sedutores, os quartos e as suites apostam, além das funcionalidades habituais neste tipo de unidades, em pormenores requintados para seduzir quem lá dorme, como é o caso dos edredões de linho da conhecida marca italiana Frette.

Luxo contemporâneo com um espírito tendencialmente clássico

O luxo estende-se ainda às luzes de fibra ótica das mesas de cabeceira, aos produtos de higiene feitos com ingredientes 100% naturais da marca PlanTation, às mini televisões nas casas de banho, à obras de arte contemporâneas que decoram as paredes e aos produtos londrinos disponíveis no minibar da habitação, onde todos os dias são deixados (gratuitamente) jornais, flores e fruta fresca.

Elementos diferenciadores não faltam no Hotel One Aldwych. Além do Lobby Bar, onde trabalha um português de Olhão que em 2012 foi eleito o melhor barman de Londres numa competição aguerrida, a unidade hoteleira dispõe de dois restaurantes, de um executive lounge e de um spa. O troféu de cristal conseguido por Pedro Paulo com um cocktail  à base de vodca, folhas de lima, mel e kefir, está mesmo em exibição permanente no bar da unidade hoteleira, muito procurado por locais, antes ou depois de uma ida ao teatro.

Mas nem só de uma sucessão cocktails criativos vive a ementa do bar. A par de snacks e refeições leves, também se pode degustar um afternoon tea, um serviço especial de chá inspirado no musical «Charlie e a fábrica de chocolate», uma adaptação do filme do mesmo nome protagonizado por Johnny Deep. «Este é provavelmente o melhor bar de Londres», escreveu mesmo, em tempos, o jornal britânico The London Standard.

Veja na página seguinte: Paladares distintos numa cidade que se reinventa a cada instante

Comentários