Como escolher o livro de autoajuda certo

O mercado das publicações de autoconhecimento e de desenvolvimento pessoal foi um dos que mais cresceu nos últimos anos. Mas como saber qual a obra a ler?

Os portugueses estão a ler menos mas, paradoxalmente, os livros de autoajuda estão a vender mais. Como títulos aliciantes como «Constrói a tua felicidade», «Acorda o teu poder interior», «Chaves para o sucesso» ou ainda «Mindfulness – O plano de oito semanas que libertou milhões de pessoas do stress e da ansiedade», este tipo de obras tem vindo a atrair um público insatisfeito com a vida que leva, num cenário de austeridade e contenção.

Mas, num mercado inundado por este tipo de publicações, como escolher a melhor para si? Vítor Viegas Cotovio, psiquiatra, ensina. De acordo com este especialista, existem três grandes classes de livros de autoajuda e de autoconhecimento:

- Os que bebem nas bases da psicologia positiva e das terapias cognitivocomportamentais e de  focam em moldar o pensamento para  mudar a ação.

- Os que se centram em técnicas de meditação e de relaxamento.

- Os que fazem a integração entre a psicologia e a dimensão mais espiritual.

Para Vítor Viegas Cotovio, os melhores livros são aqueles que:

- Procuram desmontar as nossas crenças irracionais.

- Estão estruturados de forma esquemática.

- Têm exercícios práticos.

A importância de conhecer os autores

Antes de comprar, consulte a informação curricular que o livro oferece. Se for vaga, pesquise na internet mais informação. «Ter formação na área sobre a qual escreve é um bom princípio», defende o especialista. Referir as fontes dos argumentos ou ideias que defende também, considera Vítor Viegas Cotovio. Descubra 25 livros, validados por especialistas, que o vão ajudar a ser uma pessoa melhor.

Texto: Bárbara Bettencourt com Vítor Viegas Cotovio (médico psiquiatra e psicoterapeuta e membro do Conselho Nacional de Saúde Mental)

artigo do parceiro:

Comentários