A força e o poder do otimismo

A tecnologia e as redes sociais vieram facilitar a vida em muitos aspetos mas também gerar stresses, ansiedades e negativismos. Aprenda, com especialistas, a dominar a arte do pensamento positivo

E se lhe dissermos que a melhor forma de lidar com os problemas é encará-los com otimismo? Parece algo vago e inconsequente, mas segundo os estudos da psicologia positiva, o otimismo pode realmente mudar o curso dos acontecimentos. Apaixonados por esta forma de ver a vida, os psicólogos Maria do Carmo Oliveira e Manuel de Oliveira decidiram pôr em prática os fundamentos desta disciplina.

Há mais de uma década, nos primeiros anos da de 2000, juntaram-se e criaram o Clube do Otimismo para nos ajudar a descobrir o que de melhor (e mais positivo) existe em cada um de nós. Cerca de 10 de anos e muitos sorrisos depois compilaram num livro tudo o que aprenderam. Em entrevista à Saber Viver explicam como colocar a sorte a seu favor.

O vosso livro chama-se «Viver em Tempos de Mudança». A que tempos se referem?

Os tempos de mudança sempre existiram, mas hoje tudo é mais acelerado. Somos confrontados constantemente com mudanças na área das tecnologias, no emprego e na própria estrutura familiar. Os empregos para a vida acabaram. De um momento para o outro, a nossa situação profissional muda e temos de nos adaptar a novos cargos, a novas formas de trabalhar. É fundamental sermos persistentes, inovadores e otimistas para nos adaptarmos a cada mudança.

Como é possível manter o otimismo em tempo de crise e de austeridade?

Não é fácil, mas é possível, se formos determinados, como também é possível mudarmos de um estado pessimista para uma atitude otimista. Normalmente isso só acontece quando acumulamos uma quantidade de dor suficiente que nos impele para a mudança. A psicologia positiva tem vários instrumentos para fazer esse salto. Um exercício muito simples e eficaz consiste em exprimir a gratidão pelas coisas boas que temos na vida, todos os dias.

Que outras estratégias podemos adotar para nos tornarmos mais otimistas?

É muito importante que as pessoas tomem atenção ao seu discurso, interno e externo, aquilo que dizem a si mesmas e aos outros. Estamos numa fase de muito queixume. Frases como «Que horror», «Não sou capaz» ou «Isto vai de mal a pior» têm uma carga profundamente negativa. A nossa fisiologia muda instantaneamente. Deixamos cair a nossa postura, ficamos sem energia, nem motivação.

Como podemos eliminar esse tipo de expressões do nosso discurso?

Não se trata de negarmos o que está mal, mas de manter uma atitude esperançada, que nos faça avançar e encontrar soluções. Se eu disser «Vou conseguir!» ou «Vai ser espetacular!», o meu corpo reage e ativa todas as hormonas que são favoráveis à minha ação. Mesmo que inicialmente não acredite.

Veja na página seguinte: De que forma os nossos pensamentos influenciam o curso dos acontecimentos?

Comentários