Proteção solar sem desculpas

Acabaram-se os pretextos para não proteger convenientemente a sua pele do sol

Já lá vai o tempo em que os protetores solares tinham a consistência de uma pasta branca inestética que se mantinha à superfície da pele, mesmo após alguns mergulhos.

A cada ano que passa, a indústria cosmética surpreende-nos com fórmulas cada vez mais agradáveis e com soluções para todos os tipos de pele e necessidades.

A oferta é vasta e, para ajudá-lo a escolher a fórmula mais indicada para si e para o seu tipo de pele, conversámos com Manuela Cochito, dermatologista, que respondeu às principais queixas de quem resiste ao protetor solar.

Desculpa nº1: Vou estar à sombra o dia inteiro

«Mesmo à sombra a radiação solar atinge a sua pele. Por um lado, porque o guarda-sol não é um protetor solar a 100 por cento e, por outro, porque a areia das nossas praias, rica em sílica, reflete 50 por cento da radiação na sua pele. Se estiver numa esplanada, num sítio rodeado de verde, a reflexão é menor mas também existe, através das paredes dos prédios ou das pedras da calçada», refere a especialista.

Para além disso, para uma proteção eficaz deve escolher uma fórmula que proteja não só dos raios UVB como UVA. Hoje sabe-se que a radiação UVA é a mais nociva em termos cancerígenos, pelo que o fator UVA nunca pode ser inferior a um terço do fator UVB. Verifique o rótulo do seu produto», recomenda ainda Manuela Cochito.

Comentários