Oclusão dentária

Os cuidados de prevenção a ter com a boca para evitar uma situação de disfunção têmporo-mandibular

A oclusão dentária não é mais que a forma como os seus dentes se relacionam entre si. Para se obter uma oclusão ideal, é necessário que se estabeleça uma correta relação entre os maxilares e ainda um posicionamento dentário que permita a manutenção de todas as funções orais, como a mastigação, a fonação, a deglutição e a estética.

A má-oclusão dentária pode levar à alteração de uma ou todas estas funções, bem como em alguns casos, à disfunção têmporo-mandibular.

Disfunção têmporo-mandibular, no sentido amplo, é uma afeção resultante do funcionamento anormal da musculatura da mastigação, da articulação têmporo-mandibular (ATM), estruturas associadas ou ambas na região buco-facial ou cervical. Pode provocar dores de cabeça ou pescoço, ruídos articulares (estalidos), zumbidos ou plenitude no ouvido, travamento ao abrir ou fechar a boca, limitação de abertura bucal, desgaste nos dentes e dificuldades na mastigação. Pode modificar características psicossomáticas do indivíduo reduzindo a sua qualidade de vida. No âmbito das patologias relacionadas com a oclusão destaca-se o bruxismo.

O que é o bruxismo?

É um hábito parafuncional, inconsciente e sem objetivo fisiológico para o sistema mastigatório. Existem dois tipos de bruxismo, o diurno e o noturno. O diurno está associado a hábitos repetitivos como roer as unhas, lápis, mascar pastilha elástica, ranger os dentes, má postura e todos os outros fenómenos que ocorrem quando o indivíduo se encontra acordado. O bruxismo nocturno trata-se de um distúrbio do sono em que se verifica não só o ranger dos dentes como também microdespertares, aumentos da frequência respiratória, cardíaca e movimentos corporais.

Qual a percentagem da população afetada?

Os estudos indicam que cerca de 15 a 90% da população já teve episódios de bruxismo. Trata-se de uma patologia muito associada ao stresse, pelo que uma grande parte da população é afetada. No entanto, apenas 5 a 20% têm consciência dessa parafunção.

Acontece só em adultos ou também nas crianças?

Quando somos crianças, rangemos os dentes dentro de padrões que vão ser essenciais à sua normal exfoliação e também para o seu posicionamento nos maxilares. Assim, nesta situação é normal que aconteça, não devendo os pais se preocupar com o ruído, especialmente durante a noite. Quando se trata de adultos deverá ser visto como uma patologia, para que se possa actuar o quanto antes.

Quais os sinais e os sintomas?


Em regra, o bruxismo é diagnosticado numa fase tardia, já que é um hábito inconsciente. Normalmente, o próprio paciente apercebe-se que os seus dentes estão a ficar mais curtos (devido ao desgaste) ou alguém constata o range dos dentes. O médico dentista tem um papel fundamental no processo, já que pode verificar a existência de bruxismo através de facetas de desgaste, sintomas como a tensão muscular ou dores de cabeça do tipo enxaqueca, resultantes da tensão existente.

Comentários