Nervos mais calmos com... manjericão!

Saiba como cultivar um tempero que acalma o sistema nervoso e estimula o apetite

Na Índia, o basílico, nome por que também é conhecido o manjericão, é considerado uma erva santa, que é plantada junto aos templos, sendo oferecida a muitos deuses hindus em épocas e festividades especiais.

Existe uma lenda que diz que o basílico cresceu junto ao túmulo de Jesus, depois de ele ter ressuscitado e é por isso que alguns padres ortodoxos colocam vasos de basílico junto ao altar.

Nomes comuns: Manjericão, manjericão-grande, basílico, alfavaca, alfádega, manjerico de folha grande, erva real e manjerico
Nome cientifico: Ocimum basilicum L. O nome genérico, deriva da palavra grega ókimon, que quer dizer perfumado. O nome específico deriva da palavra basilikon, que significa realeza.
Origem: Pérsia e Índia
Família: Lamiáceas

Características: Planta herbácea que pode medir entre 30-50 cm de altura. As folhas podem ser verdes ou púrpuras, espessas, compridas (2 a 7,5 cm) ou finas (1 a 2 cm) e redondas, muito aromáticas. As flores podem ser brancas ou cor de rosa e são hermafroditas.

Composição: As folhas contem óleo essencial com estragol e linalol, mas também flavonoides.

Usos: Na cozinha, é utilizado em saladas, molhos de tomate, sopas, queijos, pratos com ovos e pizzas. Também se extrai o óleo das folhas, para perfumaria e outros fins aromáticos.
Uso medicinal: Acalma o sistema nervoso e estimula o apetite.

Factos históricos: No São João, é tradicional cada pessoa comprar um vasinho de basílico para colocar na janela da cozinha e assim manter afastadas as moscas.

Ciclo biológico: Anual ou vivaz (em clima quente)
Variedades mais cultivadas: Existem variedades de folha grande e pequena, verde ou roxa e flores vermelhas e roxas. As mais conhecidas são Difforme, grande folha de alface, Napoletano, Valentino, Italian (variedades de folha verde e larga), Purple delight, Italian Red, Purpule Ruffles, grande violeta (variedades roxas), Siam queen, Cuban, Bush Green e alfavaca grega (indicadas para varandas, folha pequena).
Parte comestível: Folhas e flores

Condições ambientais
Solo: Húmido, rico em nutrientes e matéria orgânica com bom escoamento de água. Os solos
silíceo-argilosos e francos são os mais aconselhados para esta cultura. O pH ideal é de 6,4.
Zona climática: Temperado e temperado-quente, sendo nativo das regiões tropicais.

Temperaturas:
Óptimas: 15 a 25º C
Mínimas: -2º C
Máximas: 40ºC

Paragem do desenvolvimento: 11º C
Temperatura de germinação: 15-20º C
Exposição solar: Semi-sombra ou pleno sol
Humidade relativa: Deve ser média a alta
Altitude: De 0 a 1.000 metros

Fertilização e adubação: Estrume de peru e porco, terra vegetal e composto variado
Adubo verde: Faveira
Exigências nutritivas: 1:1:1 (azoto: fósforo: potássio)

Técnicas de cultivo

Preparação do solo: Lavrar e gradar o solo superficialmente (25-35 cm) e preparar canteiros elevados.
Data da sementeira: No início da primavera, germinando ao fim de 8-10 dias.
Tipo de sementeira: Por semente, directa ou em tabuleiros de sementeira, para depois transplantar. Germina em 10-12 dias, com a temperatura do solo maior que 10º C.
Faculdade germinativa: 4 anos
Profundidade: 0,5-1 cm
Compasso: 40 x 25 cm
Transplantação: Quando tiver cinco a seis folhas ou entre 10 a 15 centímetros de altura.
Consociações: Pimentos, tomate e beringelas para afastar os pulgões, moscas e mosquitos.
Amanhos: Sachas e monda de ervas. Corte das flores (para desenvolver mais as folhas). Corte da planta aos 15 cm de altura para garantir uma segunda colheita.
Regas: Uma vez por semana em tempo quente, sendo preferível a irrigação gota a gota.

Entomologia e patologia vegetal

Pragas: Pulgões e mosca branca
Doenças: Podridão dos caules, Botrytis, Phytium e Fusario
Acidentes: Sensível a geadas e ventos fortes

Colheita e utilização

Quando colher: As folhas devem ser gradualmente colhidas antes da floração, assim que atinjam uma dimensão apreciável. A colheita inicia-se em julho e pode ir até outubro, sendo feita sempre depois das 12 horas.
Produção: Cada planta produz 750 g a 1,5 kg de matéria fresca por ano.
Condições de armazenamento: Podem ser secas ou congeladas, mas perdem muito do seu aroma. À temperatura de 10 a 12º C e humidade relativa de 95%, conserva-se 8 dias. A secagem faz-se a 45 a 60º C.

Texto: Pedro Rau (engenheiro hortofrutícola)

artigo do parceiro:

Comentários