Laranja amarga

Uma fruta que aumenta a sensibilidade à insulina e a tolerância à glicose

A laranja amarga contém sinefrina, um alcaloide com efeitos termogénicos e lipolíticos, aumentando o metabolismo de produção de energia e a performance física.

No entanto, este efeito é potenciado por outros constituintes da laranja amarga, como a hesperidina e a naringina, flavonoides que melhoram a sensibilidade à insulina e a tolerância à glicose, previnem a acumulação de triglicerídeos e de colesterol, antioxidantes e anti-inflamatórios e hepatoprotetores.

Principais ações

- Redução de peso
- Aumento da performance física
- Redução do apetite
- Coadjuvante no tratamento da diabetes tipo 2
- Melhoria da função digestiva

Administração

Em comprimidos, 200 a 600 mg por dia, em duas a três doses (extrato padronizado contendo no mínimo 6% de sinefrina e no máximo 12%).

Precauções

Vários estudos científicos asseguram que a utilização da laranja amarga, dentro das doses recomendadas, é segura. Se a sinefrina for administrada isoladamente pode exercer efeitos vasoconstritores, podendo por isso conduzir, em pessoas propensas, a um aumento da pressão arterial. Por isso, a naturopatia aconselha a utilização da planta medicinal e não do princípio ativo isolad

Comentários