Doenças sexualmente transmissíveis

Quais são, porque surgem, quem afectam e que sintomas provocam

As infecções transmitidas por via sexual desprotegida devem constituir uma preocupação para quem tem uma vida sexual activa. As pessoas que têm sexo desprotegido sem conhecerem os antecedentes do parceiro estão, claramente, a pisar o risco.

Conforme explica Jorge Atouguia, especialista em Infecciologia, «não se deve estar à espera que apareça alguma manifestação visível nos órgãos genitais. Ter uma relação sexual esporádica sem se conhecer a história clínica do parceiro deve servir de alerta.

Qualquer relação sexual de risco é já a primeira indicação para estarmos atentos em relação a alguma doença de transmissão sexual». Propomos-lhe uma viagem – segura – através do universo das doenças sexualmente transmissíveis. Para que possa estar sempre protegida.

1. Candidíase


É uma infecção causada por uma levedura que afecta a vagina ou o pénis. Habitualmente, é provocada pelo fungo Candida albicans. O fungo Candida normalmente reside na pele e nos intestinos. A partir daqui pode propagar-se para os órgãos genitais.

A candidíase genital tem-se tornado mais frequente, principalmente devido ao uso cada vez maior de antibióticos, de contraceptivos orais e outros medicamentos que modificam as condições da vagina de um modo que favorece o crescimento do fungo.

A candidíase é muito frequente em mulheres grávidas ou que estão menstruadas e nas diabéticas. As mulheres que desenvolvem esta infecção costumam sentir prurido ou irritação na vagina e na vulva e, ocasionalmente, secreção vaginal. Os homens não apresentam sintomatologia, na maioria dos casos, mas a glande e o prepúcio por vezes irrita-se e dói, especialmente depois do coito. Por vezes, surge uma secreção proveniente do pénis.

Nas mulheres, a infecção é tratada lavando a vagina com água e sabão, secando-a com uma toalha limpa e depois aplicando um creme prescrito pelo médico assistente. Podem ainda necessitar de tomar um fármaco antimicótico ou outra terapia de prevenção. Nos homens, o pénis deve ser lavado e seco antes de se colocar um creme antifúngico.

2. Cervicite

É a infecção primária na mulher e traduz-se em corrimento vaginal, desconforto ou dor abdominal baixa com ou sem dispareunia e metrorragias (sangramento vaginal que não se deve à menstruação). Existem sintomas não específicos que podem ser causados pela maioria dos agentes responsáveis por corrimento vaginal, sobretudo os muito frequentes agentes de vaginites.

O número de mulheres assintomáticas ou com sintomas não específicos com cervicite gonocócica é geralmente alto, tornando difícil a determinação precisa de períodos de incubação da doença, a sua detecção e tratamento, bem como a localização do contágio.

Comentários