Cancro do pulmão

Um dos cancros mais frequentes e também um dos mais evitáveis

É um dos cancros mais frequentes e também um dos mais evitáveis. Basta olhar para as embalagens de maços de tabaco e ler as informações sobre os efeitos nefastos do tabaco. Ainda assim, há quem ignore os alertas e não abandone o vício.

É fumador? Quer tentar deixar de fumar? Apresentamos-lhe alguns dados suficientemente válidos para abandonar definitivamente o tabaco, contemplado na lista de fatores de maior risco para vários tipos de cancro e muitas outras patologias. Vale a pena pensar nisso!

Este tipo de cancro afeta fumadores e fumadores passivos entre os 55 e 75 anos de idade. «O número de casos nas mulheres aumentou exponencialmente com o aumento do número de mulheres fumadoras mas os homens continuam a ser os mais afetados», indica Paulo Cortes, coordenador da Unidade de Oncologia do Hospital dos Lusíadas. Aexposição ao fumo do tabaco, sobretudo em pessoas fumadoras é o principal fator de risco. «Cerca de 85% dos cancros do pulmão no homem e 65% dos cancros do pulmão na mulher são causados pelo fumo do tabaco», explica Paulo Cortes.

O especialistarecomenda a consulta imediata de um especialista quando setem tosse persistente ou irritativa (este é o sintoma mais comum),se sente uma dor torácica que não resolve com os analgésicos vulgares,tem dificuldade respiratória, pieira, rouquidão ou episódios repetidos de infeções respiratórias.

Como é feito o diagnóstico

Os exames mais frequentes para diagnosticar o cancro do pulmão são o raio-X do tórax e a TAC (tomografia axial computorizada) torácica. «Costuma realizar-se ainda uma biopsia por broncofibroscopia (exame com aparelho que permite ver o interior da traqueia e dos brônquios), através da parede torácica, guiada por TAC ou por exame de líquido pleural», refere Paulo Cortes. A cirurgia, a radioterapia e a quimioterapia são os tipos de tratamento mais utilizados para o cancro do pulmão. Muitas vezes, é necessário utilizar uma combinação destes tratamentos.


Texto: Cláudia Pintocom Paulo Cortes (coordenador da Unidade de Oncologia no Hospital dos Lusíadas)

artigo do parceiro:

Comentários