Cancro do estômago

Também designado cancro gástrico, é, na esfera dos tumores do tubo digestivo, o segundo mais frequente

Este tipo de cancro pode desenvolver-se em qualquer parte do estômago e espalhar-se para outros órgãos. É mais frequente em homens do que em mulheres e a sua incidência aumenta com o avanço da idade, sobretudo a partir dos 50 anos. A maioria das pessoas diagnosticadas com cancro gástrico encontra-se entre os 55 e os 75 anos.

«Para além de ser um tipo de cancro muito agressivo (pode aumentar ao longo da parede do estômago, para o esófago e para o intestino delgado, atingindo, por vezes, os pulmões, os ovários e os gânglios linfáticos acima da clavícula), é, frequentemente, assintomático na fase inicial, o que explica o seu mau prognóstico», explica Paulo Cortes, coordenador da Unidade de Oncologia do Hospital dos Lusíadas.

Factores de risco

Segundo Paulo Cortes, «os nitratos que ingerimos podem ser transformados em nitritos e dar origem a substâncias carcinogénicas». Estão presentes sobretudo em alimentos tratados com fertilizantes, com particular intensidade em culturas de estufa e alimentos fumados ou salgados.

O álcool e o tabaco também estão na lista de factores de risco deste cancro. Salienta-se ainda a infecção por uma bactéria chamada Helicobacter pylori. «No entanto, só uma minoria das pessoas infectadas com esta bactéria
desenvolve cancro do estômago, já que este processo está relacionado com a estirpe particular do agente infeccioso e com o desenvolvimento de gastrite crónica nalgumas pessoas com susceptibilidade genética particular», acrescenta o
oncologista.

Comentários