O que a medicina ortomolecular pode fazer por si

Ponha os nutrientes ao serviço da sua saúde com um método terapêutico e, sobretudo, preventivo que tem vindo a conquistar milhares de adeptos em todo o mundo.

Alguma vez pensou ser possível prevenir doenças a partir da reabilitação celular? E, mais, alguma vez pensou que essa possibilidade estivesse ao seu alcance? Conheça as potencialidades da medicina ortomolecular, um método terapêutico e, sobretudo, preventivo, que tem vindo a conquistar seguidores um pouco por todo o mundo. Afasta ameaças de doenças e promove o equilíbrio orgânico, através da reabilitação celular com base no uso de substâncias, principalmente, nutricionais.

Chama-se medicina ortomolecular e pode melhorar o seu estado de saúde, atuando antes da doença surgir, mas também quando ela já se encontra instalada. Está a ganhar terreno num contexto de adoção de estilos de vida cada vez mais saudáveis seguidos por pessoas conscientes de que a sua saúde, presente e futura, está nas suas próprias mãos.

O que é a medicina ortomolecular?

A medicina ortomolecular ou nutrição ortomolecular é um ramo médico alternativo que se centra na reabilitação celular, ou seja, no restabelecimento do equilíbrio químico do organismo. Segundo explica a nutricionista Iara Rodrigues «este objetivo é conseguido através do uso de substâncias e elementos naturais, tais como vitaminas, minerais, oligoelementos, aminoácidos, probióticos e coenzimas».

Substâncias «que vão permitir um reequilíbrio bioquímico, neutralizando os efeitos tóxicos e melhorando a qualidade de vida das pessoas», esclarece a especialista. A eficácia deste ramo da medicina tem vindo a ser corroborada desde 2005 por estudos científicos internacionais que avaliam o impacto da toma de suplementos nutricionais no estado geral de saúde das pessoas.

Para que serve?

Esta especialidade serve para manter a saúde e tratar as doenças com base no uso correcto dos nutrientes integrados numa determinada dieta. O objetivo é corrigir as moléculas do organismo, promovendo o seu equilíbrio. A prevenção é um dos pilares fundamentais da medicina ortomolecular, pois evita a emergência de vários desequilíbrios orgânicos e até mentais.

«A medicina ortomolecular analisa o comportamento celular, a maneira como a célula absorve os nutrientes e como os utiliza, para determinar o tipo de dieta mais indicado para a manutenção da saúde», afirma Iara Rodrigues.

Quais os seus benefícios?

Uma das principais vantagens da medicina ortomolecular é a sua abordagem preventiva e terapêutica holística, pois encara «o corpo como um todo interligado», justifica Iara Rodrigues. Dada a importância que esta especialidade tem na prevenção e no tratamento de doenças, a especialista defende que deveria ser complementar a ramos médicos como a oncologia, pediatria e cardiologia, entre outros.

Até porque «a nutrição ortomolecular estuda os efeitos das deficiências agudas ou crónicas, mantidas durante um longo período de tempo, e como estas podem, isoladamente ou em conjunto, ser o motivo de diferentes doenças ou sintomas que diminuem a nossa qualidade de vida», sublinha a especialista. Por outro lado, a medicina ortomolecular tem a mais-valia de poder atuar quer de forma preventiva quer curativa.

«A primeira mantém o equilíbrio energético biocelular, regula a célula ao aportar nutrientes e ajuda a prevenir doenças. A segunda actua quando as carências de nutrientes célulares são manifestas, como acontece, por exemplo, na sequência de um défice de selénio (pode levar ao aparecimento de neoplasias (formação nova e anormal de tecido sem nenhuma função útil) ou de um défice de zinco (pode estar na origem de problemas de infertilidade)», especifica Iara Rodrigues.

Veja na página seguinte: Como atua a medicina ortomolecular

Comentários