Frescos ou congelados?

Alguns produtos congelados podem ser igualmente saudáveis. Saiba como confeccioná-los

A opção pela compra de produtos congelados tem ganho terreno nas famílias portuguesas.

Isto deve-se, provavelmente, ao facto de estes produtos responderem a necessidades tão simples como serem, por vezes, mais acessíveis, mais rápidos e cómodos de preparar e terem longos prazos de validade, o que faz com que possam ser consumidos quando dá mais jeito.

Como são feitos os congelados?


A congelação consiste em submeter os produtos a temperaturas abaixo de 0ºC. No caso dos produtos ultracongelados, isto significa que passaram da temperatura ambiente para -18ºC (ou menos) numa questão de segundos ou de poucos minutos. É o que acontece geralmente com o peixe fresco congelado.

As vantagens?

Conhecemos as vantagens dos produtos frescos. Ainda assim, os produtos congelados permitem-nos espaçar as compras, manter os alimentos guardados mais tempo e poder usufruir de produtos fora de época. Para além disso, estão prontos a cozinhar ou, até mesmo, a comer.

Alguns especialistas referem ainda que, um dos principais benefícios destes produtos reside no facto de existir uma menor probabilidade de se criarem agentes patogénicos e bactérias já que, quanto mais baixa é a temperatura, mais adversas são as condições para a multiplicação de microorganismos e micróbios. No fundo, podem até ser mais seguros do que alguns produtos frescos quando guardados no frigorífico.

São mais cómodos porque é fácil controlar as quantidades cozinhadas, bem como guardar o que não pretendemos consumir (reduzindo o desperdício).

Comentários