Dois em cada três portugueses não dormem o suficiente. E mais de metade dorme mal

Os portugueses não descansam o suficiente durante a noite o que afeta a qualidade de vida. Esta é a principal conclusão do estudo mais recente sobre os hábitos e a qualidade de descanso dos portugueses, realizado pela Conforama.

O estudo revela que 71% dos portugueses não dormem o suficiente, descansando sete ou menos horas por dia. A maioria dos entrevistados reconhece que deveria dormir pelo menos mais uma hora. Ou seja, apenas três em cada dez portugueses dormem as oito horas recomendadas por dia. Aliás, 32% admite que o seu défice de sono supera as duas ou três horas diárias, colocando em risco a sua saúde.

Em 2016, a Associação Mundial de Medicina do Sono revelou que os distúrbios do sono constituem uma epidemia global, que ameaça a saúde e a qualidade de vida de cerca de 45% da população mundial. A falta de um sono de qualidade reduz a concentração, diminui a produtividade académica e profissional e é uma das principais causas de acidentes rodoviários. Pode levar também ao desenvolvimento de problemas de saúde, como a hipertensão, doença cardíaca, diabetes, entre outras doenças.

Uma das principais causas para esta falta de descanso deve-se aos maus hábitos na hora de ir para a cama. 63% dos portugueses deitam-se por volta das 00h00 ou mais tarde e quase um terço (28%) depois da 01h00.

Veja isto: 10 razões saudáveis para dormir (todo) nu

Por outro lado, 49% dos portugueses entrevistados afirmaram não conseguir dormir bem durante a noite, admitindo que tem um sono irregular. Apenas 21% dos inquiridos afirmam ter um sono profundo.

Despertar durante a noite, o stress diário e ter um colchão desconfortável são as principais razões que afetam a qualidade do sono de mais de metade dos portugueses (53%). Além disso, 45% dos inquiridos admitem sofrer de dores relacionadas com a sua posição ao dormir, sobretudo nas costas (30%) e na região cervical (15%).

Vários benefícios do sono

De acordo com Joaquim Moita, presidente da APSono "o sono é fundamental à vida. Como tal, o sono de curta duração ou de má qualidade tem complicações a nível psíquico e cardíaco, pelo que diminui a esperança de vida. Os portugueses têm consciência desta realidade. No entanto, deitam-se tarde e levantam-se cedo. Têm dificuldade em adormecer, acordam frequentemente e recorrem a medicamentos para dormir".

"Levantar e deitar sempre à mesma hora, fazer exercício moderado, evitar álcool e dormir numa cama adequada são essenciais para ter um sono tranquilo e eficaz. O quarto deve ter uma temperatura de 18 graus. O sistema de controlo da temperatura e humidade do colchão, ao longo da noite, é importante. As propriedades elásticas do colchão e a sua adaptabilidade a cada individuo saudável ou com doenças específicas são fundamentais", acrescenta o responsável.

No entanto, 66% dos portugueses reconhecem que dormir bem é essencial para melhorar a sua qualidade de vida e apenas 1,3% dos inquiridos afirmam que dormir pouco não os afecta. Como tal, 3 em cada 5 portugueses afirmam que ter um bom colchão é fundamental para garantir uma boa qualidade de sono, bem como uma boa alimentação e a temperatura ideal no quarto.

Leia ainda: 10 comidas que lhe estão a roubar o sono

Saiba ainda10 coisas que as pessoas saudáveis fazem antes de dormir

Comentários