Os erros de beleza que os homens ainda cometem

Cuidam-se cada vez mais e as marcas também lançam cada vez mais produtos masculinos. Veja o que eles fazem pela sua beleza e o que, ainda assim, também deveriam fazer.

Man Applying Facial Cream

créditos: Saber Viver

Cheiro, textura e opinião de familiares ou amigos. Se as respostas ao inquérito que fizemos representassem a opinião dos portugueses, poderíamos afirmar que estes são os três elementos mais valorizados quando eles escolhem produtos de beleza. Na verdade, as respostas destes homens com idades entre 24 e 63 anos, com uma média de 35, valem apenas como opiniões pessoais, mas nem por isso são menos interessantes.

De seguida, revelamos-lhe as rotinas de beleza deles e confrontamo-las com as recomendações da dermatologista Marília Moreira da Fonseca em declarações à edição impressa da revista Saber Viver. Confira os resultados:

- «Limpo o rosto com água fresca e sabão porque não gosto de sentir gordura na pele»

O desabafo é feito por Manuel Silva, 50 anos, embora seja partilhado por muitos homens. Desde sabão, a gel de duche ou sabonete líquido, são muitos os concorrentes ao campeonato masculino de produto mais apto para a lavagem do rosto, embora alguns admitam usar um gel específico. Motivos como «ser prático» e a textura gordurosa dos produtos são os mais apontados.

Os mais honestos confessam mesmo algumas falhas. «Não me preocupo muito com a limpeza do rosto», diz Manuel Silva. «Lavar a face ou a cabeça com gel corporal é um mau hábito, tal como lavar o corpo com champô», adverte Marília Moreira da Fonseca. «Cada área tem características próprias e os produtos de limpeza têm incorporados diferentes agentes lavantes», esclarece a especialista.

«Seja porque se pretende uma limpeza maior ou porque as áreas são mais sensíveis, como a face», refere ainda a dermatologista. «Por exemplo, o gel de duche remove insuficientemente a oleosidade típica do couro cabeludo, originando cabelo baço, sem volume e brilho e problemas de queda», acrescenta ainda Marília Moreira da Fonseca.

- «Lavo o rosto com água porque considero que é o produto mais inócuo e neutro que existe»

A afirmação é de Bruno Gomes, 32 anos. Para compensar o grupo dos que preferem produtos que não são de rosto, há quem se limite a usar água. Neste caso, «neutralidade», «naturalidade» e «simplicidade » são as justificações vencedoras, argumentos que fazem sentido tendo em conta que este líquido representa 70 por cento do organismo humano, mas que, diz quem sabe, não têm em conta as necessidades da pele masculina.

«Pelo elevado teor de gordura e acumulação de células mortas, a pele masculina necessita de ser limpa diariamente», alerta Marília Moreira da Fonseca. Mas essa não é a única falha masculina. «O esfoliante deve ser usado antes do barbear para expor mais os pelos e proporcionar um resultado perfeito e também porque facilita a penetração do hidratante», realça a especialista.

Este cuidado é particularmente importante entre os 30 e 40 anos, quando «a atividade glandular e celular é mais elevada, de modo a remover a acumulação de detritos na superfície cutânea», refere ainda a dermatologista. Nesta faixa etária, são muitos os homens que já começam a ter esse cuidado. Mas ainda não são todos...

- «Ponho um pouco de creme hidratante no rosto de forma irregular cerca de uma vez por mês»

Pedro Santos, 39 anos, tem a noção de que falha a este nível. Uma vez por mês, todos os dias, duas vezes por semana, de manhã e à noite, pontualmente, de vez em quando. Quanto à regularidade com que hidratam o rosto, os homens não parecem ter hábitos muito instituídos ou, pelo menos, esta é uma opção muito subjetiva. No entanto, cerca de um terço dos que nos responderam cumprem este ritual diariamente.

«Todos os dias, após o barbear, deve ser aplicado um hidratante, para a pele recuperar da agressão induzida pela fricção da lâmina ou máquina, de preferência incorporando protetor solar», defende Marília Moreira da Fonseca. A partir dos 50 anos, este cuidado é ainda mais importante, já que a pele se torna «progressivamente mais seca e sensível».

- «Prefiro fórmulas em gel porque são fáceis de espalhar e tenho a sensação de que são mais facilmente absorvidas»

Luís Vicente, 36 anos, gosta desta tipo de produtos. Podem não ser muito disciplinados no uso de hidratante, mas quando o fazem, a maioria coincide na opção por texturas leves, tanto no rosto como no corpo. Como diz também João Dias, de 32 anos, «um hidratante tem que deixar a minha pele visivelmente suave e dar a ideia de que não uso hidratante». Sensação de frescura e aromas suaves são igualmente valorizados.

«Sendo a pele do rosto mais oleosa, a preferência vai para as formulações em gel ou cremes de textura fluida, melhor toleradas e facilmente absorvidas pela típica pele oleosa masculina. No corpo, a presença usual de pelos exige formulações mais fluidas, de fácil aplicação e absorção, como os leites e emulsões», diz Marília Moreira da Fonseca.

Veja na página seguinte: As diferenças entre a pele deles e a delas

Comentários