Os cuidados a ter com os perfumes de verão

As substâncias das fragrâncias que podem causar alergias e reações cutâneas (fotos)

As fragrâncias evocam sentimentos e elevam a autoestima. Por isso, perfumamo-nos irremediavelmente o ano inteiro. Mas o verão exige alguns cuidados.

A história da perfumaria confunde-se com a da própria moda. O perfume que usamos é visto como um acessório do nosso guarda-roupa e tem, muitas vezes, a assinatura de uma das principais casas da alta costura.

Os frascos de vidro mais luxuosos são verdadeiras peças de joalharia que nos permitem incluir na nossa toilette diária um elemento sofisticado a um preço mais acessível. Mas se, à primeira vista, o ato de perfumar pode parecer uma simples futilidade, a fragrância a que recorre diariamente é, também, uma ferramenta para o seu bem-estar emocional. «O perfume que usamos ajuda-nos a sentirmo-nos mais sedutoras, confiantes, bem-dispostas. Contribui para uma sensação de maior segurança no convívio com os outros», afirma a psicóloga Helena Marques.

A fragrância que escolhemos é, não só, um fator de gratificação pessoal, «como também uma marca, um modo de afirmação da nossa identidade, status e personalidade (um cartão de visita), e, principalmente, mais uma forma de seduzir e conquistar atenções», acrescenta a psicóloga, para quem o aroma de um perfume pode também exercer poder e serve «para criar uma impressão, uma vez que ajuda a retratar a nossa identidade e a sermos lembrados», conclui.

No relatório Smell Report, a diretora do Social Issues Research Centre do Reino Unido, Kate Fox, afirma que a associação de uma fragrância a uma emoção não se trata apenas de uma invenção poética da indústria cosmética. Estudos comprovam que o olfato é o sentido mais primitivo, capaz de nos relembrar de memórias já por nós esquecidas. Tal acontece pelo facto de os estímulos olfativos serem transmitidos para áreas do cérebro que estão diretamente ligadas à criatividade, aos sentimentos e à memória.

A capacidade do ser humano para se lembrar de um cheiro específico supera a capacidade de recordar o que viu. «Deste modo, algumas essências podem ajudar a ativar sensações de bem-estar, a atenuar o stresse e a acalmar e contribuir para o despertar de sensações de prazer. Por exemplo, a lavanda evoca moderação e um sentimento de racionalidade, o cedro alivia sensações como o medo, angústia e raiva», afirma a especialista.


Cuidados a ter no verão

Mas apesar de nos fazerem sentir bem, os perfumes contêm substâncias que podem causar alergias e reações, especialmente no verão, perante a exposição solar. Ao usarmos o perfume diretamente na pele, este tende a ter uma maior fixação, pois envolve-se na nossa camada hidrolipidica e é libertado de forma mais progressiva e prolongada. No entanto, a dermatologista Manuela Cochito deixa um alerta.

«Quem tem alergias deve colocar o perfume apenas na roupa. Durante o verão, mesmo quem não é alérgico, não deve colocar perfume em áreas que possam apanhar sol», refere a especialista. As fragrâncias incluem extratos vegetais potencialmente fototóxicos, isto é, «que se tornam localmente tóxicos e irritativos após serem expostos ao sol», elucida também o dermatologista Miguel Trincheiras.

A exposição solar após ter-se perfumado «pode mesmo provocar queimaduras de primeiro e segundo grau, deixar pigmentação pós-inflamatória ou favorecer o aparecimento progressivo de uma patologia designada poiquilodermia de civatte, de aspeto eritematoso e pigmentado tipicamente nas laterais do rosto e do pescoço», explica o dermatologista Miguel Trincheiras. Para o especialista, o ideal é «hidratar a pele antes de aplicar o perfume, pois vai fazer com que haja menos risco de alergia».

Gravidez, acne e doenças respiratórias

Também as grávidas, por terem mais tendência para a formação de pano, uma condição caracterizada pelo aparecimento de manchas de contorno irregular no rosto, devem ter cuidado com a aplicação do perfume, principalmente no verão, em contacto com o sol. O melhor mesmo é prevenir. Por isso, se se vai expor ao sol «o ideal é não usar perfume», afirma Miguel Trincheiras. A usar, deve aplicar a fragrância apenas na roupa ou em áreas não expostas à luz solar.

Os perfumes contêm, ainda, substâncias que podem agravar o acne. Segundo Manuela Cochito, «quem tem a pele com tendência acneica deve ter especial cuidado, não devendo colocar o perfume no rosto e no pescoço». Também pessoas com patologia das vias aéreas superiores, nomeadamente asma e rinite alérgica, «devem ter muito cuidado no uso para evitar a inalação acidental de partículas de perfume vaporizadas, sob pena de poderem desencadear ou agravar uma crise destas patologias», alerta Miguel Trincheiras.

«As peles atópicas, geralmente bastante secas, são também mais reativas à aplicação de perfume», adverte ainda o especialista. Durante o dia, com temperaturas mais elevadas, deve apostar em perfumes mais leves e que evaporem mais rapidamente, com vista a minimizar a expansão da fragrância. Aposte em aromas florais, frutados, com ervas aromáticas, como alecrim e lavanda.

Durante a noite, aposte em fragrâncias mais fortes, como a da madeira, e em cheiros mais doces, como o chocolate e a baunilha, com elementos mais densos para uma evaporação mais lenta. Tenha em conta que a fragrância permanece mais tempo numa pele oleosa do que numa mais seca, em que poderá ser necessário reaplicar o perfume a meio do dia.

Prazo de validade

Assim como todos os cosméticos, os perfumes têm prazo de validade e não duram eternamente. A cartonagem do perfume deve indicar o tempo estimado de duração após a abertura, sendo que, geralmente, «permanecem em boas condições de utilização durante dois ou três anos, desde que conservados de forma correta (sem exposição solar direta, num ambiente seco e pouco quente)», refere a formadora de O Boticário, Sofia Ferreira.

Esteja, contudo, atenta a sinais de deterioração que podem incluir «uma alteração na coloração do líquido ou a formação de depósito no fundo do frasco», explica Sofia Ferreira que, no entanto, refere que «o perfume é uma mistura muito equilibrada com álcool e é muito raro estragar-se antes de chegar ao fim da sua utilização».

As zonas onde deve aplicar

O perfume deve ser aplicado em zonas corporais que apresentam um maior fluxo sanguíneo:

- Próximo do rosto
- Próximo da nuca
- Nos pulsos
- Dobras dos braços
- Umbigo
- Por cima da roupa ou acessórios (no lenço ou no cinto preferencialmente)

Saber escolher qual o ideal para si

Existe um perfume para cada pele. Para saber qual o seu:

- Experimente-o no pescoço e no punho (sem esfregar) e aguarde cerca de meia hora a uma hora para descobrir a verdadeira personalidade do perfume.

- Opte por experimentar um novo perfume de manhã, quando o olfato está mais apurado.

- Evite escolher perfumes depois de ter estado em ambientes com fumo ou em locais com odores muito fortes.

- Evite selecionar ou adquirir novos perfumes durante a gravidez, pois as perceções olfativas estão afetadas.

- Limite o número de fragrâncias que experimenta de cada vez. O nosso nariz só consegue registar, eficazmente, dois a três aromas diferentes. Opte por pedir uma amostra dos perfumes que não experimentou para fazê-lo mais tarde em casa.

5 cuidados a ter 

1. Ao comprar
Certifique-se que a embalagem que escolheu não esteve exposta diretamente à luz da montra ou do balcão, para garantir que a fragrância está intacta.

2. Ao usar
Para que o seu perfume não evapore nem diminua de intensidade, guarde-o num lugar escuro e seco, longe da luz solar direta ou de lâmpadas fortes.

3. Variedade
Evite alternar o uso de mais de duas fragrâncias ao mesmo tempo para limitar o período de utilização de cada fragrância e garantir que cada uma delas mantém as suas propriedades intactas até ao fim da utilização.

4. Frasco
Se não pretende usar diariamente o mesmo perfume, opte por comprar um frasco mais pequeno.

5. Fragrância
Guarde os aromas mais frescos para os dias de verão e os mais quentes para o inverno.

Texto: Stela Martins com Miguel Trincheiras (médico dermatologista), Manuela Cochito (médica dermatologista), Helena Marques (psicóloga) e Sofia Ferreira (formadora de O Boticário)

artigo do parceiro:

Comentários