Era digital: como educar os filhos

Está por todo o lado e, como tal, não há como fugir dela por isso o melhor é saber quais os seus prós e contras e descobrir como acompanhar os mais pequenos.

É comum ver crianças e adultos completamente vidrados nos seus telemóveis, tablets ou em qualquer outro dispositivo eletrónico. Quantas vezes em encontros familiares (e não só) não acontece ver os miúdos todos no sofá a rir com vídeos do YouTube, a falar com outros amigos, em vez de conviverem com os presentes?

A era digital está em plena força... Não há como escapar dela e por isso o melhor é seguir o ditado "se não a podes vencer junta-te a ela". Na verdade, existem algumas grandes vantagens para descobrir, qualquer que seja a sua idade. Pais e avós têm começar a ser mais experientes para poderem participar nesta nova forma de aprendizagem dos filhos e netos ou vão acabar por ser passados para trás. A parte boa é que se estiver disposto eles vão gostar muito de o ensinar, mas tem de ir de facto aprendendo e praticando, senão acabam por se fartar de explicar sempre o mesmo. Também é importante compreender que os pais não podem orientar os seus filhos corretamente na era digital se não tiverem pelo menos alguma compreensão do assunto.

Limite da liberdade online

A questão da pornografia é uma das que mais preocupa os pais. Muitas vezes os adolescentes já estão prevenidos para não verem esse tipo de sites, mas há outros casos que por vezes acontecem de forma inocente e se podem tornar perigosos. A "Ana" é uma jovem mãe que descobriu recentemente pornografia no seu computador de casa. Ela e o marido ficaram atordoados com a situação e como têm um filho adolescente culpabilizaram-no imediatamente. Depois de um intenso questionamento eles perceberam de que ele não era o culpado. Quem seria então?! De seguida, o outro filho de apenas 7 anos de idade, admitiu que ele era o culpado. O pequeno, que está nesta fase a aprender a ler e escrever, pensou que seria engraçado digitar a palavra "nu" num motor de busca. Claro que se pode imaginar tudo o que apareceu... Os pais procuraram o histórico do computador e descobriram que ele tinha visto vários sites e não apenas uma, mas várias vezes. Depois de uma conversa com ele sobre a gravidade de tal comportamento, acharam que seria importante colocarem filtros no computador para evitar que estas situações se repetissem.

Mas não são só questões relacionadas com pornografia que os pais devem tentar proteger. Também é importante estar preparado com tudo o que a internet tem para oferecer em termos de informação: bombas caseiras, testes científicos, etc... Há que ter cuidado com essa filtragem, mas acima de tudo deve ser ensinado sobre o que é ou não adequado e a falarem consigo antes de colocarem alguma experiência em prática. Não se esqueça que não pode filtrar todos os computadores que o seu filho tem acesso e ele estará muito melhor informado se houver uma conversa franca e honesta em vez de ser tudo feito às escondidas. Isso só irá fazer com que ele tenha ainda mais vontade de procurar...

Comentários