Ecografias 3D e 4D prejudicam o feto?

Começaram por ser realizadas nos Estados Unidos da América mas a moda já chegou a Portugal. Será seguro ver o bebé assim antes de nascer?

3d 4d ultrasound scan fetus pregnancy concept

Há quem as chame de ecografias emocionais. Permitem aos pais ver as feições do bebé antes dele nascer e proporcionar-lhes uma recordação (fotografia, vídeo). Distinguem-se das 2D (as de diagnóstico) porque a imagem ganha volume (3D) e movimento (4D). «Na ecografia 2D, vemos o exterior e o interior do bebé, o que permite detetar malformações nos órgãos internos. Na ecografia 3D, vemos apenas a superfície. Os pais percebem melhor como é a face do bebé, mas, por exemplo, não vêem o cérebro», explica o ginecologista obstetra Alexandre Lourenço.

A quem se destinam?

Qualquer mãe que deseje ter esta experiência e possa pagar por uma ecografia 3D e 4D pode fazê-la. Não pode é, em caso algum, deixar de fazer as ecografias 2D, definidas em cada trimestre, «senão as malformações do coração, do rim ou do estômago não são detetadas», alerta. «Mesmo malformações exteriores, como o lábio leporino, são sempre detetadas em 2D, embora, neste caso, possamos recorrer ao 3D, para ter uma noção mais clara do problema do ponto de vista estético», explica.

Quais os riscos?

Na opinião de Alexandre Lourenço, a grávida pode fazer tantas ecografias quantas desejar. A ecografia não emite radiação, uma vez que é realizada através de ultrassom. «O aparelho capta o som que vibra nos tecidos e transforma-o em imagens. Embora os ultrassons utilizados em tratamentos aqueçam os tecidos, nas ecografias (2D, 3D ou 4D) tal não acontece», refere o especialista.

Não há nenhum trabalho que mostre que as ecografias realizadas aos bebés ou às mães tenham provocado cancro ou malformações do feto», conclui. Se decidir fazer uma ecografia 3D, «opte por fazer num centro ecográfico especializado, de preferência com um médico obstetra», aconselha ainda.

Quando fazer

As ecografias 3D e 4D, também apelidadas de ecografias emocionais, devem ser realizadas quando o bebé já está completamente formado, mas é pequeno o suficiente para os pais poderem vê-lo quase por inteiro no monitor do ecógrafo.

- Entre as 18 e as 24 semanas é a altura ideal.

- Não existe limite de tempo para a realização das ecografias, o importante é o conforto da grávida.

- Nas ecografias 4D, a família pode estar presente para ver o vídeo do bebé.

- Os pais podem levar fotografias e um vídeo para casa.

- Podem ser feitas quantas ecografias os pais desejarem.

Texto: Catarina Caldeira Baguinho com Alexandre Lourenço (médico consultor em ginecologia e obstetrícia no Hospital de Santa Maria e assistente da Faculdade de Medicina de Lisboa)

artigo do parceiro:

Comentários