Viagens zen estão na moda

Troque os banhos de sol por um retiro saudável, com exercício físico, meditação e passeios na natureza. Dentro ou fora de portas, parta para umas férias diferentes.

Encontrar a paz. Sair da rotina. Limpar o cérebro. Ouvir a mente. Estas são apenas algumas das razões apontadas por quem decide passar as férias num retiro a praticar meditação e ioga, longe do rebuliço das cidades, das praias mais concorridas ou dos monumentos mais afamados. O chamado turismo de bem-estar, onde os retiros se incluem, está a crescer um pouco por todo o mundo e representa já 14% dos gastos no setor do turismo.

As transações que movimenta equivalem a 2,9 milhões de biliões de euros por ano, de acordo com o relatório de 2013 do Global Wellness Tourism. Há hotéis que se especializaram neste segmento e mosteiros que abrem as suas portas. Há locais despojados de todas as mordomias, há outros em que nada falta, sem que se perca a parte espiritual nem ter que se renunciar ao conforto a que estamos habituados.

Segundo o mesmo relatório, em 2013, realizaram-se 586,5 milhões de viagens de bem-estar, números que traduzem bem o interesse crescente neste setor por turistas vindos dos quatro cantos do mundo. Portugal não é exceção nesta tendência e, atenta a esse facto, Berny Serrão, ex-personal stylist, decidiu mudar de vida e transformou a sua casa de férias numa unidade de turismo rural.

Esta empreendedora investiu num projeto muito vocacionado para o bem-estar, uma forma de estar que aprendeu no oriente onde viveu vários anos. «Foi lá que percebi que não é uma tendência, mas uma forma de vida», reconhece hoje a emprendedora. «Quis criar um conceito onde pudesse partilhar hábitos saudáveis de manter o equilíbrio, pois hoje em dia vivemos uma vida demasiado agitada com muito pouco tempo para parar e estar», explica.

Situado em pleno Alentejo, às portas de São Teotónio, em Odemira, o Paraíso Escondido é uma propriedade de oito hectares. Um verdadeiro convite ao descanso, assim que se entra pelo portão e se percorre uma estrada apertada em terra batida, com os eucaliptos a predominarem na paisagem, e até se chegar à casa principal, de traça alentejana, no cimo de um monte. Aqui a banda sonora é inteiramente da responsabilidade da natureza, o que ajuda a desligar e a deixar tudo para trás.

Paraíso escondido à mão de semear

«O nosso conceito é partilhar experiências, tudo ligado à harmonia (corpo, mente e espírito). Não queremos impor, simplesmente partilhar formas saudáveis de manter o corpo e a mente num equilíbrio saudável», explica a proprietária. E isso começa, por exemplo, na alimentação. Antes da hora das refeições é possível ver Berny a apanhar da sua pequena horta biológica os vegetais e as ervas aromáticas que pouco depois estarão à mesa.

A ideia é que o Paraíso Perdido seja «um retiro e proporcione a oportunidade a todos de se aprenderem a ligar ao seu eu interior». A meditação é uma das formas de o conseguir e será perfeitamente acessível a todos. «Quando falo com algumas pessoas sobre meditação, muitas dizem que gostavam de fazer, mas não conseguem desligar. No entanto, meditar não é desligar, é olhar e, para isso, existem técnicas alternativas, como a ligação com a natureza de parar e observar», diz.

«A pintura é, também, uma boa forma de meditação e ligação ao nosso eu interior, por isso, criámos workshops, onde os nossos hóspedes podem aprender estas técnicas de modo a conseguirem meditar», esclarece Berny. No Paraíso Perdido, são também organizados workshops de ioga, os primeiros foram com Bruno Reis, yoga personal trainer. Preços a partir de 100 € por noite com pequeno-almoço.

Meditar no Alentejo

Sabia que o segundo maior centro budista da Europa, de seu nome Tubten Pantsok Gephel Ling, situa-se no Alentejo, mais precisamente no concelho de Alcácer do Sal? Este é o local ideal para quem quer fazer um retiro pessoal, em família ou com amigos, e pode escolher entre retiros de meditação, budistas ou de ioga. Este centro segue os valores e a tradição espiritual do Budismo Vajrayana, mas não é preciso ser budista para participar.

Veja na página seguinte: Viagens zen… lá fora!

Comentários