A abadia onde se ouvem cantos gregorianos ao deitar

Localizado em pleno centro de Bruxelas, na Bélgica, The Dominican é um luxuoso hotel que ocupa um antigo edifício religioso onde também viveu um famoso pintor.

Ao entrar no elevador e nos quartos, é impossível não reparar nos cantos gregorianos que, suavemente, impõem a sua presença. Orgulhoso do seu passado, o The Dominican, um dos mais luxuosos hotéis de Bruxelas, capital da Bélgica, não renega o que já foi, apesar de também fazer questão de não prescindir de nenhum dos luxos modernos dos tempos que correm. Antiga abadia, ocupa o edifício que, no século XV, acolheu frades dominicanos. Veja a galeria de imagens deste hotel.

Um edifício que, nos primeiros anos de 1800, foi a casa de Jacques-Louis David, um famoso pintor francês que muitos consideram o mais característico representante do estilo neoclássico. Foi aí, na Rue Léopold, que pintou «Marte desarmado por Vénus e as três Graças», uma das suas obras mais famosas. Dessa altura, o imponente edifício ainda conserva os impressionantes tetos altos, o chão de pedra, as arcadas e os claustros.

Tudo elementos que serviram de inspiração à decoração atual da elegante e sofisticada unidade hoteleira. A fachada original da casa do pintor foi mantida e preservada e integrada no que é hoje o The Dominican, um dos 10 hotéis que integram o grupo Carlton, que tem outras unidades hoteleiras de referência em países como a Holanda, a Escócia e a Inglaterra. O seu interior é a interpretação contemporânea do que foi o velho claustro.

A reconversão estética é da responsabilidade da FGStijl, uma empresa de Amesterdão, na Holanda, que já ganhou vários prémios internacionais. Também membro da rede Design Hotels, é o resultado de uma «combinação única entre a elegância história e o design moderno», pode ler-se no seu site. «É um daqueles sítios onde sabe que vai querer voltar. Um daqueles sítios que o deixará nostálgico mal se vá embora. É um sítio inesquecível», refere ainda a descrição online.

Localização perfeita e conforto requintado

A localização perfeita e o conforto requintado são dois dos fatores distintivos do The Dominican. Apesar de ter apenas quatro estrelas, é mais ambicioso do que muitos de cinco. Além de cinco estúdios localizados nas proximidades da unidade hoteleira, pequenos apartamentos com entrada independente equipados com quarto, sala e cozinha, mais recomendados para estadias prolongadas, inclui ainda um loft.

O The Dominican Loft está situado em frente ao hotel, tal como os espaçosos quartos loft, habitações maiores e mais exclusivas, com vista para o centro histórico de Bruxelas e para a fachada neoclássica da ópera e do teatro. No edifício principal do hotel, situa-se o grosso da oferta de 150 quartos e suites que o hotel disponibiliza. Os quartos Deluxe apostam numa decoração onde predominam as cores suaves e os tecidos ricos, sublimados com apontamentos estéticos modernos e móveis em materiais naturais.

Dormir no quarto do pintor

Maiores e mais espaçosos, os quartos da gama Executive têm vista para o pátio da antiga abadia. Essa é, essencialmente, a maior diferença. A grandiosidade maior ficou, todavia, reservada para as suites, sobretudo para a Grand Place Suite, um espaço com 77 metros quadrados que, além do quarto, contempla uma sala de estar, uma sala de jantar e uma área de vestir e tem vista para a Grote Markt, a mais deslumbrante praça de Bruxelas.

Além de várias junior suites, The Dominican integra ainda várias executive suites, como é o caso da Opera Suite. Com uma área de 66 metros quadrados, tetos altos e um conceito de loft, é uma das divisões mais iluminadas da unidade hoteleira. Batizada em homenagem ao pintor francês que lá residiu, a Jacques-Louis David Suite permite aos hóspedes que a reservam poder dormir no local onde o artista mais fez mover tintas e pincéis, para criar algumas das suas mais emblemáticas pinturas.

Veja na página seguinte: Regressar a casa com… o cheiro do hotel!

Comentários