11 motivos para ir a Omã

Não tem a fama do Dubai mas ganha-lhe em autenticidade. Nos últimos anos, ganhou importância como destino turístico no Médio Oriente
créditos: Saber Viver

Montanhas, praias e desertos. Um trio de peso que faz do Sultanato de Omã uma das tendências do turismo dos últimos anos. O país é constituído por três territórios descontínuos, dois deles encravados nos Emirados Árabes Unidos. Não tem a fama do seu vizinho Dubai nem o número de turistas daquele país. No entanto, ganha-lhe em autenticidade. Prepare-se para ser surpreendido pelo fascínio do Médio Oriente numa nação que tem menos de quatro milhões de habitantes. Estas são as atrações turísticas que quem visita a cidade não pode, de todo, perder:

1. Oásis e wadis

Não há desertos sem oásis e os de Omã são especiais e alimentam as zonas agrícolas do país através das falaj, um sistema de irrigação usado há séculos pelos omanenses e que continua a funcionar hoje em dia. Nos wadi, palavra árabe que significa vale ou leito de rio seco, formam-se piscinas naturais, onde é possível tomar banho e desfrutar da natureza. O mais conhecido é o Wadi Bani Khalid.

2. Capital harmoniosa

A capital do país é o exemplo máximo de que o passado e o presente convivem saudavelmente neste sultanato. Na cidade, nenhum edifício pode ultrapassar a altura do minarete da mesquita principal e todos eles têm de ter um pormenor da arquitetura tradicional para que nada retire o equilíbrio a Mascate, cujas ruas são limpas, imagine, três vezes por dia e os jardins são cuidados ao pormenor. Um dos edifícios mais emblemáticos da cidade é a Grande Mesquita Sultão Qaboos (na foto), a terceira maior do mundo. Visite também o National Museum , que conta a história do país desde a pré-história aos nossos dias, bem como o Bait Al Zubair, que recria uma aldeia de montanha.

3. Fiordes das Arábias

Também conhecida como o fiorde das Arábias, Musandam está situada no Estreito de Hormuz, no norte do país. Para lá chegar apanhe um dhow (barco tradicional), para uma viagem inesquecível durante a qual poderá observar a natureza no seu estado mais puro. Grandes escarpas, ilhas em forma de animais, corais, grutas, peixes desconhecidos e aves marinhas são alguns dos elementos que vão passar pelos seus olhos. As praias parecem ser secretas e os rochedos são autênticas varandas para as baías. É um bom local para mergulhadores e amante do snorkeling.

4. Bairro vibrante

Apesar de em tempos ter sido uma vila à beira-mar, hoje, Mutrah é um dos bairros de Mascate e o mais efervescente, por sinal. O porto de pescadores é pitoresco e o souk, com mais de 200 anos, é um dos mais bonitos do país e o local ideal para comprar as vestes tradicionais, joias, punhais e perfumes, que o inundam de um aroma inesquecível. Ao fim do dia, todos os caminhos vão dar à corniche, a marginal onde a população local vê o sol a pôr-se nas montanhas.

5. As origens

Nizwa já foi a capital de Omã e, hoje, é a principal cidade da região de A'Dakhiliyah. Está localizada num grande oásis e, como tal, as palmeiras fazem parte da sua paisagem. É conhecida pela fortaleza mas também pelos usos e costumes das suas gentes e, à quarta-feira, há um mercado de animais que é imperdível. Nas redondezas, visite o Castelo de Jabrin e a aldeia de Al Hamra, muito semelhante em termos de arquitetura às povoações do vizinho Yemen. A fortaleza de Bahal foi declarada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO e também merece uma visita.

Veja na página seguinte: As praias virgens e os fortes seculares de influência portuguesa

Comentários