Hipnoterapia na infância

Saiba como é que esta terapia pode melhorar a vida de crianças e adolescentes

Nunca tivemos crianças com tantas posses e com tanta insatisfação. A constatação é de Cristina Infante Borges.

Em entrevista à Saber Viver, a hipnóloga clínica explica como é que a hipnoterapia pode ajudar os mais pequenos a enfrentar os desafios do presente com maior segurança e determinação.

Por que é que a hipnose clínica está a assumir um papel cada vez mais relevante na saúde mental e física de crianças e adolescentes?

As nossas crianças passam cada vez mais tempo sendo criadas e educadas longe da família. A grande maioria dos avós ainda se encontram na vida ativa, sem tempo disponível para assumir e auxiliar os jovens casais na tarefa de serem pais. Para além disso, o ir para fora, cá dentro está mais enraizado nos nossos jovens, através da tecnologia. O aumento exponencial das taxas de divórcio, devido à pressão social e económica em que o país se encontra, entre muitos outros fatores, faz com que a irreverência infantil e juvenil seja cada vez mais evidente.

Nunca tivemos crianças com tantas posses e com tanta insatisfação. A hipnose clínica está a assumir um papel cada vez mais relevante junto dos nossos jovens, pelo facto de ir ao encontro das suas necessidades e por lhes apresentar resultados a curto e médio prazo. Para os jovens, a hipnoterapia facilita-lhes imenso a vida, por não terem a necessidade de verbalizar factos do passado ou factos que ainda não tem maturidade para descodificar as consequências ou mais-valias, face ao comportamento adoptado.

Há que ter em atenção que, em hipnose, o paciente (criança ou jovem) é que dita as regras não quem paga. Dou um exemplo, contextualizando a situação. Uma mãe que quer que o filho tenha melhores notas na escola, uma preocupação legítima e valiosa para o futuro do seu filho. O jovem é filho de pais divorciados, tem problemas de obesidade mórbida e é constantemente vítima de bullying. A mãe nem desconfia desta situação e a questão da imagem aos seus olhos não lhe parece relevante.

Perante este cenário, inicialmente vamos trabalhar aquilo que é mais importante para o jovem. Pode ser a questão da obesidade que lhe faz mais sentido, visto isso ir aumentar a sua autoestima, fazer parar de gozarem com ele na escola ou a questão da defesa pessoal. Como sabemos, umas coisas influenciam as outras. Consequentemente, se o jovem se sentir mais calmo, tranquilo e seguro, de um modo geral, os resultados escolares também se irão manifestar de forma mais positiva.

Relativamente à sua saúde mental, o estado de hipnose, para além de ser um estado natural das crianças e dos jovens, promove-lhes um estado de foco e concentração muito grande, promove-lhes a criatividade, fazendo com que eles vejam e sintam vários cenários mentais, que o auxiliarão no processo de decisão, autonomia e
auto-responsabilização, Proporciona-lhes mais calma e tranquilidade.

Ensina-os a trabalhar com a inteligência emocional, a gerar estados de foco e concentração necessária para uma aprendizagem lectiva mais rápida e simples, a respirar melhor e, fundamentalmente, proporciona-lhes mais saúde. Deparamo-nos, muitas vezes, com patologias diagnosticadas que servem mais de estratégia mental para a vitimização ou como uma desculpa ou meio para conseguirem o que pretendem dos adultos, nomeadamente atenção, acompanhamento, carinho, amor, etc.

O que procura?

Comentários