Poupe no supermercado

Aprenda a identificar as promoções que valem (mesmo) a pena e gaste menos dinheiro

Menos 50 por cento, 2 por 1, desconto imediato... As promoções são atualmente um dos principais trunfos das grandes superfícies para atraírem os consumidores. 

Mas serão realmente vantajosos para si? A resposta é... depende!

Umas compensam mas outras são tendencialmente engodo.

Segundo o técnico da Deco Proteste, António Souto, para conhecer a vantagem de qualquer promoção deve responder a questões como «preciso realmente deste produto?» e «qual o prazo de validade?» e só depois avançar efetivamente para a compra. Promoção a promoção, o especialista ajuda-a a identificar as verdadeiras oportunidades e a começar realmente a poupar. 

2 por 1, 3 por 2 e por aí fora...

Este tipo de promoção, muito comum em Portugal, consiste na oferta de um produto na compra da primeira ou das duas primeiras unidades. «O dois por um equivale a um desconto de 100 por cento no segundo produto ou de 50 por cento no total da compra. É uma situação mais vantajosa do que o três por dois, que permite apenas uma poupança de 30 por cento no total da compra», analisa António Souto.

Este tipo de promoção é ideal para produtos que consome com muita regularidade ou com um prazo de validade longo e que tem a certeza que irá consumir. Mas há pormenores a ter em conta. Deve verificar até que ponto existe mesmo uma vantagem nesta promoção. «Não deve apenas ter em conta o valor que vai pagar no final, mas também o preço cobrado pela unidade de medida (por litro, por quilo)», alerta o especialista.

Antes de comprar, considere sempre o prazo de validade dos produtos, recomenda ainda. «Se não consumir a compra em tempo útil e acabar por deitar fora, sairá mais caro do que se tivesse comprado apenas uma embalagem sem promoção», indica António Souto.

50% de desconto na 2ª unidade

Na compra do produto em promoção tem 50 por cento de desconto na segunda unidade. Embora seja uma fórmula promocional muito semelhante à anterior, o especialista lembra que «é menos vantajosa pois, no total da compra, tem um desconto inferior, 25 por cento». Este tipo de campanha é ideal para adquirir produtos que consome com extrema frequência e dentro do prazo de validade.

Ao aderir a uma campanha deste género, considere, contudo, a necessidade da compra e a validade do produto. E não se esqueça que «ao comprar o segundo produto, de que não precisa no momento, irá pagar quase o dobro do que contava gastar», alerta o especialista. Verifique ainda no talão se o desconto foi validado, o que nem sempre sucede.

Desconto em cartão

O preço do produto mantém-se inalterado mas uma percentagem do valor pago é creditado num cartão de cliente e pode ser descontado numa próxima compra naquela cadeia de hipermercado. «É uma estratégia de marketing que tem sido muito usada nas maiores insígnias nacionais, porque é uma forma de prender o cliente», refere o especialista. Tem a vantagem de permitir abater o desconto acumulado em cartão na aquisição de produtos de que realmente necessita «como nas compras domésticas do mês», exemplifica o especialista.

Ao submeter-se a este tipo de campanhas, preste, contudo, atenção ao prazo de que dispõe para gastar o saldo no cartão. Se pretender usar o valor acumulado em bens de consumo prioritários «deve aproveitar a promoção», refere ainda António Souto.

Desconto imediato

«É o mais vantajoso para o consumidor, pois ocorre no ato da compra», afirma o especialista. É o melhor sistema para adquirir bens de que necessita, especialmente «os mais dispendiosos, como um eletrodoméstico», refere. «Se o desconto é atrativo, mas não tem necessidade de adquirir aquele produto, por exemplo um televisor, não o deve comprar», ressalva, contudo o especialista.

Mesmo que a promoção corresponda a uma necessidade, «só deve investir no produto se existir folga orçamental para evitar um rombo nas suas finanças», refere António Souto. Comprar indiscriminadamente bens de que não necessita realmente acaba por nunca se revelar uma vantagem, acabando por traduzir-se numa má compra.

Vales de desconto

O produto inclui um vale para descontar na próxima compra. «O consumidor não precisa de se fidelizar ao estabelecimento, mas sim ao produto», explica. É ideal para produtos que utiliza habitualmente e podem ser guardados na despensa para consumir mais tarde. Verifique sempre o talão de compras para se certificar de que os descontos foram efetuados.

Este tipo de sistema de promoções também tem fatores a ter em contaO prazo de que dispõe para usar o vale de desconto é um deles e limita em muitas situações a sua utilização, acabando por não ser usado, não havendo nesses casos nenhuma vantagem efetiva. Siga também a máxima de consumo assertivo. «Se estou a precisar disto agora, compro. Se não estou, mas vou necessitar a curto prazo e posso, então, aproveito», sublinha o especialista.

4 erros a evitar

Conselhos fundamentais para não cair nas malhas das promoções:

- Comprar produtos de que não precisa. É um gasto supérfluo que não resulta em poupança.

- Adquirir quantidades elevadas. Pode levar a excedentes e desequilibrar orçamento familiar.

- Comprar produtos com um prazo de validade reduzido. Corre o risco de se estragarem antes de os consumir.

- Adquirir várias unidades de um produto que nunca experimentou. Arrisca-se a não gostar e acaba por não usar tudo o que adquiriu.

quadro promoções

Texto: Fátima Lopes Cardoso com António Souto (técnico da Deco Proteste)

artigo do parceiro:

Comentários