Perca a vergonha do público

Ruborizar, suores, nervos, vícios de linguagem e outros fazem parte de toda uma panóplia de sintomas que conseguem assolapar uma pessoa e colocar por terra um bom discurso.
créditos: pixabay

Para alguns a tranquilidade de falar em público é um talento, mas nem sempre se consegue ser um orador fluente e carismático. Para tal é preciso treino para que no futuro consiga convencer a sua plateia. Nada como seguir as dicas abaixo e ver alguns vídeos na internet sobre algumas palestras.

Controlar o nervosismo
Tudo aquilo que sinta que lhe faz diminuir a adrenalina desencadeada pelo medo e receio deve ser usado em seu benefício. A ideia é fazer desaparecer aquilo que o faz tremer ou sentir ansiedade. Nada como concentrar-se em tarefas que o fazem 'desligar', meditar, fazer exercícios de respiração, ouvir aquela playlist que tanto gosta, etc... utilize as técnicas que lhe proporcionam uma redução do stress.

Falar em frente ao espelho
Para além de falar, grave também, porque só assim irá ter mais detalhes daquilo que disse, da forma e da sua postura corporal. Funciona como uma autocrítica e para saber o que pode alterar e melhorar. Por exemplo, certificar-se que as suas expressões faciais correspondem com a mensagem, que o discurso está a fluir e isento das chamadas 'bengalas' (“tipo”, “ahhhhh...”, “então é assim”, etc...), os gestos que faz (mesmo gesticulando, deverá sempre manter as mãos ao nível da cintura), o ritmo, etc...

Errar é humano e normal
Mesmo após vários ensaios há sempre qualquer coisa que pode correr menos bem. A ideia é relativizar e assumir o erro calmamente e com atitude. Quantas vezes já viu modelos a caírem na passerele e a levantarem-se como se nada fosse ou a descalçarem-se e a brincarem com os sapatos? Não vale a pena demorar a pedir desculpas ou a voltar a falar do assunto, uma vez que isso cansa a audiência. Basta ter em mente alguma história mais engraçada que dê para quebrar o gelo e usar isso a seu favor.

Olhos nos olhos
Se a ideia é convencer e persuadir é bom que olhe para a sua audiência. Divida a mesma em 3 ou 4 grupos distintos e, sem encarar nenhuma pessoa em específico, vá passando os seus olhos por esses grupos.

Pesquisar a audiência
Para além de poder ir fazendo perguntas, ainda que retóricas, para ajudar a evitar a monotonia do discurso, poderá sempre saber um pouco mais acerca de quem vai assistir. Isto é, caso sejam palestras recorrentes, há todo um perfil que pode ser utilizado para incluir informações e piadas mais direcionadas.

Prática
Alguns especialistas aconselham a que se respondam a algumas questões tais como “O que eu quero dizer” e “Porque é isto importante” para que haja um fio condutor na apresentação. Evite memorizar o discurso para não sofrer algum dissabor, caso se esqueça de uma ideia ou frase. É preferível memorizar palavras-chave ou tê-las à mão numa folha de papel ou outra ferramenta para assim saber o que tem de dizer a seguir. Não obstante, visitar o local e verificar se as ferramentas estão a funcionar são uma excelente opção porque pode evitar que na altura algum problema externo lhe provoque distração.

artigo do parceiro:

Comentários