Assertividade: Como comunicar de forma mais eficaz?

A capacidade de afirmação e defesa na sustentabilidade do Amor-Próprio

De todos os julgamentos que fazemos, nenhum é tão importante quanto o que fazemos sobre nós mesmos! A autoestima positiva é um requisito fundamental para uma vida satisfatória. Contudo, a dificuldade em expressar os nossos sentimentos, pensamentos ou pontos de vista contribui, grandemente, para uma baixa autoestima.

Esta autoestima tem dois componentes principais: o sentimento de competência pessoal e o sentimento de valor pessoal. Por outras palavras, a autoestima é a soma da autoconfiança com o autorrespeito. Ela reflete o julgamento implícito da nossa capacidade de lidar com os desafios da vida (entender e dominar os problemas) e o direito de ser feliz (respeitar e defender os próprios interesses e necessidades).

A assertividade revela-se um elemento fundamental na criação de um forte e saudável Amor-Próprio!

Ser assertivo é uma competência que requer, na sua generalidade, treino, consciência e capacidade de observação, sendo que a resposta assertiva permite agir tendo em vista os melhores interesses do próprio, defender-se sem ansiedade excessiva, exercer os direitos pessoais sem negar os direitos dos outros, e expressar honesta e confortavelmente os próprios sentimentos (Alberti & Emmons, 2008, p.8). Esta resposta envolve, necessariamente, a consciência das possíveis consequências resultantes da expressão sincera da opinião pessoal.

Algumas características da resposta assertiva:

• Expressão direta de pensamentos e sentimentos;

• Escuta ativa do outro;

• Elaboração de questões abertas que visam conhecer as opiniões e desejos do outro (e.g., “O que pensas sobre…”);

• Frases curtas e diretas;

• Expressões iniciadas por “eu”;

• Distinção entre factos e opiniões (e.g., “A minha opinião …”);

• Sugestões e críticas construtivas que se centram na ação do outro e não na culpa excessiva (Back & Back, 2005).

Saiba mais na próxima página

Comentários