Coloque-se no centro

A arte de nos escolhermos a nós mesmos para definirmos o rumo da nossa vida, defende Teresa Marta, consultora de bem-estar. Veja o que deve mudar para conseguir uma felicidade maior.

Prefere fazer as suas opções ou sente-se mais confortável quando optam por si? Gosta mais de escolher ou que o escolham? Estas perguntas, aparentemente simples, podem tornar-se muito angustiantes, nomeadamente quando enfrentamos dilemas difíceis de resolver. Se o seu padrão é ficar à espera que a escolham, possivelmente acabará por concluir que está a deixar de liderar a sua vida. Isso não é bom nem é mau. É apenas, e mais uma vez, uma escolha que fazemos.

E as escolhas que fazemos ditam a nossa qualidade de vida! A questão é que, mesmo quando escolhemos não escolher, já estamos a fazer uma escolha. Já alguma vez tinha analisado a questão nestes termos?+ Mesmo quando nos mantemos num emprego de que não gostamos ou numa relação que não nos dá alegria, estamos a escolher ficar aí.

Por muito que o nosso cérebro nos diga que não, que estamos em determinado sítio ou com determinada pessoa porque somos obrigados, não temos alternativa ou porque é melhor aceitar as condições, que algo melhor virá, mesmo assim, estamos a escolher. A forma como escolhemos é pois determinante para o nosso equilíbrio. No entanto, escolhemos, muitas vezes, em função do que é melhor para que os outros nos aceitem como iguais.

O modo como exercemos o poder de escolha

Raramente nos escolhemos a nós mesmos. O modo como exercemos o poder de escolha revela muito sobre a nossa autoestima. De facto, começamos a ganhar qualidade de vida quando nos tratamos bem, quando nos estimamos. Se realmente quer cuidar melhor de si, comece por aceitar fazer um trabalho coerente com aquilo que deseja para a sua vida, que sente ser a sua identidade e a sua vontade.

Este trabalho significa, desde logo, aceitar que aquilo que pretende desenvolver depende, em primeiro lugar, de si! Significa aceitar que está disposta a não colocar o seu bem-estar na dependência de alguma coisa ou de alguém. Sendo assim, a sua primeira atitude deve ser ter coragem de se escolher em primeiro lugar. Isso irá aumentar a sua consciência de merecimento.

No desenvolvimento da consciência de merecimento é essencial que identifique quais as suas ações que, neste momento, representam esforços inúteis. Abandone-as de imediato e sinta o alívio de não continuar amarrada a situações que lhe retiram energia e que a fazem questionar sobre a capacidade de fazer as melhores escolhas para si. Isto significa dar-se a si próprio a oportunidade de mudar a sua vida. Você merece. Ponha-se a caminho!

Veja na página seguinte: Não seremos nós o poder de que andamos à procura?

Comentários