Rastreio do cancro da mama

Em que consistem os programas de rastreio e quando devem ser feitos? As respostas de Ana Paula Avillez, médica imagiologista especialista em Senologia

Os programas de rastreio do cancro da mama consistem na avaliação de mulheres assintomáticas para as classificar como pessoas com alta ou baixa probabilidade de padecerem da doença ou para detectar aquelas que já a têm.

Têm grande utilidade pois a neoplasia da mama é a mais comum na mulher e tem frequentemente um crescimento lento. Por outro lado, a sobrevida das doentes com cancro da mama é fortemente condicionada pelo estadio da doença na altura do diagnóstico, sendo maior nas fases iniciais.

A partir de que idade deve ser iniciado o rastreio?

O cancro da mama é raro abaixo dos 30 anos de idade (apenas 0,3 por cento dos casos), aumentando a sua incidência rapidamente cerca dos 35 anos e continuando a verificar-se ao longo de toda a vida, embora a um ritmo mais lento após a menopausa.

Cabe ao Estado a implementação de programas de rastreio, dado que visam um problema de saúde pública, o que obriga a ter em conta vários factores, entre os quais a incidência da doença de acordo com a idade e a relação custo-benefício.

Assim, há que avaliar a vantagem de rastrear as mulheres de um determinado grupo etário, com todas as implicações monetárias que acarreta e o ganho efectivo na esperança de vida.

É óbvia a consequente variação entre países nos escalões etários englobados nos programas de rastreio, considerando a disponibilidade de recursos financeiros e a esperança média de vida das suas populações.

Tendo em conta a incidência de cancro da mama de acordo com a idade e o seu comportamento biológico habitual, a American Cancer Society (ACS) recomenda o exame médico e a mamografia anual a todas as mulheres a partir dos 40 anos de idade, associada ao auto-exame mensal.

Não está estabelecido um limite superior de idade, havendo controvérsia relativamente à idade em que os exames de rastreio devem começar a ser realizados com intervalos maiores.

Comentários