Quando a bebida se transforma em dependência

Qual o limite?

Quando não se consegue perceber qual o limite para o consumo de álcool e se cai no erro de abusar, há que acompanhar de perto para tratar devidamente. A bebida faz parte do contexto social e é perfeitamente satisfatória quando não se torna preocupante e exagerada. Conheça os sinais de alerta que indicam quando determinada pessoa está dependente do álcool.

Para conduzir, todos necessitamos de ter as capacidades intactas. Caso opte por consumir álcool durante festas, jantares ou locais de convívio, deixe a condução para quem não bebe ou apanhe um táxi. “Nunca aceite boleia de alguém que tenha bebido ou ofereça bebidas alcoólicas a quem vá conduzir”, indica a Dr.ª Sílvia Victor, psicóloga clínica. Eis a alternativa mais importante e segura para evitar perigos desnecessários. “As bebidas alcoólicas em excesso podem induzir um estado inicial de desinibição, euforia e a falsa segurança em si próprio”, acrescenta a especialista.

A transição de beber moderadamente a beber problematicamente implica “passar de uma fase em que a ingestão de álcool se encontra numa dimensão social normal para uma situação de carácter patológico. Esta transição ocorre de forma lenta, tendo uma interface que, em geral, pode levar vários anos. Nesta fase, torna-se essencial que a pessoa procure ajuda de forma a conseguir tratar-se da doença grave que contraiu e do processo auto-destrutivo em que se encontra”, indica Sílvia Victor.

Como saber se o consumo é meramente social ou se se está a transformar numa clara dependência? Existem sinais de alerta, como por exemplo, “beber sozinho, diariamente ou frequentemente, ficar alcoolizado em todas as festas que frequenta, colocar o álcool como prioridade dos seus interesses, sentir-se incapaz de parar ou reduzir o consumo de álcool”, salienta a psicóloga clínica. Os episódios de violência associado ao consumo, ficar irritado quando confrontado sobre a bebida e frequentar restaurantes/cafés secretamente estão entre outros dos sinais de alerta mais comuns.

Comentários