A gordura está cada vez mais longe de ser formosura

Considerada pela Organização Mundial de Saúde a epidemia do século XXI, a obesidade vai muito além de um problema estético. Saiba por que a deve começar a combater... já!

É um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de outras doenças com consequências graves para a saúde. A obesidade, que atinge cerca de 10% da população portuguesa,  é uma doença caracterizada pelo armazenamento excessivo de gordura no organismo passível de afetar a saúde. Trata-se de um problema crónico, com elevada prevalência nos países desenvolvidos, que constitui um fator de risco para o aparecimento, desenvolvimento e agravamento de outras doenças.

A nível mundial, o obesidade mata mais que a fome e as doenças infecto-contagiosas. Só em Portugal, mais de 1.500 mortes por ano são causadas por doenças que derivam da obesidade, segundo dados da ADEXO (Associação de Doentes Obesos e ex-obesos de Portugal). A boa notícia é que, depois do tabagismo, é a segunda causa de morte comprovadamente evitável através da prevenção.

Qual a sua causa?

O excesso de gordura corporal resulta de um reiterado predomínio da quantidade de calorias ingeridas face às calorias dispendidas. Mas ser obeso não significa, necessariamente, que a pessoa se alimenta em excesso. A obesidade está dependente de uma série de fatores.

Além dos genéticos (predisposição genética, sexo e idade), também pode ser afetada por fatores ambientais ou comportamentais (ausência de um regime alimentar equilibrado, inatividade física) e metabólicos ou hormonais (correspondem a menos de 5% dos casos de obesidade). Para além disso, no caso da mulher, os períodos de gravidez e menopausa são também fatores de risco.

Quais as consequências para a saúde?

A obesidade está associada a inúmeras complicações de saúde, desde condições debilitantes e progressivas a doenças crónicas com elevado risco de mortalidade. O risco cresce, sobretudo quando o índice de massa corporal é igual ou superior a 35 kg/m2. Assim, para além do desconforto físico e/ou psicológico, a obesidade pode acarretar vários problemas de saúde. Os mais comuns e preocupantes são:

- Aparelho cardiovascular: Hipertensão arterial, aterosclerose e problemas cardíacos

- Complicações metabólicas: Dislipidémias (aumento da concentração sanguínea de gorduras), diabetes tipo 2 e gota

- Sistema pulmonar: Dispneia (dificuldade em respirar) e fadiga, síndrome de insuficiência respiratória do obeso, apneia do sono (interrupção do ciclo respiratório) e embolismo pulmonar

- Aparelho gastrointestinal: Esteatose hepática (fígado gordo), litíase vesicular (formação de areias ou pequenos cálculos na vesícula) e cancro do cólon

- Aparelho genito-urinário e reprodutor: Infertilidade, amenorreia (ausência anormal da menstruação), incontinência urinária de esforço, alguns tipos de cancro (endométrio, mama e próstata), hipogenitalismo (insuficiência testicular ou ovárica) e hirsutismo (aparecimento de pelos e barba devido a maior produção de hormonas masculinas nos ovários)

- Alterações psicossociais: Isolamento social, depressão, ansiedade e perda de autoestima

- Outras alterações: Osteoartroses, insuficiência venosa crónica, risco anestésico, hérnias e propensão a quedas, devido à sobrecarga na coluna e membros inferiores

Veja na página seguinte: Como prevenir e tratar a obesidade

Comentários