Mononucleose infeciosa

Os cuidados que deve ter para não apanhar esta doença

Também designada por doença do beijo, a mononucleose infeciosa é causada pelo vírus Epstein-Barr.

Esta transmite-se pela troca de saliva através do beijo, copos, talheres, por exemplo.

Mal-estar generalizado, febre alta, dor abdominal, gângilos muito inflamados, amigdalite são os principais sintomas que podem denunciar esta patologia.

Para tratar a mononucleose infeciosa recorre-se a paracetamol, ácido acetilsalicílico e glucocorticóides. Para prevenir o contágio, evite o contato com pessoas infetadas. A versão clássica desta patologia também é apelidada de febre glandular. Apesar de apresentar uma taxa de mortalidade diminuta, é provocada por um gamavírus DNA (linfocriptovírus) que pertence ao grupo da herpes. No que respeita ao seu tratamento, são geralmente isolados através dareação de polimerase em cadeia (PCR), dois tipos de vírus da EBV (1 e 2 ou A e B).

O processo de infeção ocorre normalmente por via do contato com a saliva de um indivíduo já infetado. Após esse, o vírus penetra pela orofaringe no tecido linfoide do anel de Waldeyer, ocorrendo uma viremia, um acometimento do sistema linforreticular que perturba o normal funcionamento do fígado, do baço, da medula óssea e dos pulmões.

A sua manifestação pode dar-se de imediato ou só ao fim de alguns dias. Febre, fadiga, mialgias, dores de garganta, cefaleias e sensação permanente de mau-estar são alguns dos sinais que, consoante o grau da infeção, podem alastrar-se durante vários dias, podendo estender-se, nalguns casos, a um período até dois meses. No caso das crianças, esse prazo tende a ser menor.

Nessas situações, a inflamação no anel linfático de Waldeyer e na faringe pode dar origem a um simples eritema até um exudato de coloração branco-acinzentada. Na grande maioria dos casos, encontra-se aumento doslinfonodos da região cervical, juntamente com uma linfadenopatia generalizada. Em 50% a 75% dos casos, ocorre uma esplenomegalia.

Em 15% a 25% das situações, pode registar-se uma hepatomegalia. Em 95% dos casos, segundo estudos e investigações internacionais, a função hepática é afetada. O aparecimento de umedemapalpebral, conhecido como sinal de Hoagland, está presente num terço dos casos. Já o de um exantema ocorre em 3% a 8% das manifestações da doença, prejudicando o normal funcionamento do tronco e da face, bem como das extremidades em ocasiões mais raras.

Comentários