Mais de 4% dos portugueses sofre de insuficiência cardíaca

Patologia tem uma mortalidade elevada e diminui fortemente a qualidade de vida dos doentes

É uma das muitas doenças silenciosas que se manifestam apenas em situações extremas e geralmente demasiado tardiamente.

Uma arma fundamental para a combater é a prática regular de exercício físico. Nos últimos anos, foram desenvolvidas terapêuticas que melhoram a sobrevida e qualidade de vida dos doentes, mas o panorama continua a ser preocupante.

Em entrevista à Prevenir, Brenda Moura, coordenadora do Grupo de Estudo da Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Cardiologia explica os mecanismos da patologia, enumera os fatores de risco e descreve os tratamentos disponíveis para combater aquela que muitos apelidam de verdadeira epidemia. «Só podemos dar aos doentes o melhor tratamento se eles recorrerem ao seu médico», adverte a especialista.

De uma forma resumida, o que é que se entende por insuficiência cardíaca?

Insuficiência cardíaca é a incapacidade do coração bombear sangue na quantidade necessária para satisfazer as necessidades do organismo. Isto quer dizer que, habitualmente, os doentes não têm sintomas em repouso, a não ser em situações extremas, mas quando fazem algum esforço os sintomas aparecem, pois o organismo necessita de mais sangue e o coração não consegue realizar esse maior trabalho.

Como podemos detetar situações de insuficiência cardíaca? Os sintomas são suscetíveis de serem confundidos com os de outras patologias?

A suspeita de insuficiência cardíaca começa pelos sintomas que o doente apresenta e são, sobretudo, falta de ar e cansaço. São de facto sintomas que podem aparecer em muitas outras situações e, por isso, é necessário recorrer a um médico, que vai tentar esclarecer a situação.

É fácil detetar esta patologia através de exames? Não se corre facilmente o risco de um diagnóstico errado?

Os exames são fundamentais, não só para excluir outras doenças, como para corroborar o diagnóstico. Sem exames é muito difícil fazer um diagnóstico correto.

Quais os fatores de risco da insuficiência cardíaca?

Os fatores de risco de insuficiência cardíaca são a dislipidemia (colesterol alto), a diabetes mellitus, a obesidade e o sedentarismo. Ter hipertensão ou ter tido um enfarte do miocárdio são as condições que mais frequentemente levam a insuficiência cardíaca.

Comentários