O que fazer para não contrair hepatite durante o sexo

Os três tipos de vírus que causam esta inflamação no fígado podem ser transmitidos através do contacto sexual. Saiba o que pode fazer para se prevenir nesse e noutros contextos.

A hepatite é uma inflamação do fígado. Tem diferentes causas como, por exemplo, o consumo de álcool, alimentação inapropriada e diversos vírus. Em termos de relações sexuais, a hepatite A, a hepatite B e a hepatite C, uma patologia que afeta cerca de 100.000 portugueses, são as mais perigosas porque o vírus da hepatite está presente no esperma, nos corrimentos vaginais e no sangue. Porém, há diferenças consideráveis entre os três tipos de hepatite:

- Hepatite A

A hepatite A é provocada por um picornavírus. O vírus encontra-se nas fezes e é transmitido através destas quando as condições sanitárias são precárias. Em muitos casos, os moluscos oriundos de águas poluídas com fezes estão também contaminados. Esta doença não é transmitida por contacto sexual, mas assegure-se que cuida bem da sua higiene. Use um preservativo durante o sexo anal e nunca tenha sexo anal ou oral sem a devida preparação.

O pénis precisa de ser muito bem lavado. Qualquer contacto com as fezes de uma pessoa infectada é perigoso. Isto também inclui lavar as mãos em casas de banho públicas. Se tiver relações sexuais no calor da paixão, tem de lavar as mãos imediatamente depois do sexo.

O vírus está presente nas fezes de uma pessoa infetada durante, pelo menos, três semanas antes de se desenvolverem quaisquer sintomas. Assim, não há maneira de determinar se alguém é ou não portador do vírus. Não há cura e a doença raramente provoca uma condição crónica, que pode ser fatal, pelo que a prevenção se reveste de especial importância.

- Hepatite B

A hepatite B é provocada por um vírus da família dos hepadnavírus, mais precisamente o ortohepadnavírus. É transmitido através do sangue, esperma ou fluidos vaginais, saliva, urina e leite materno. O vírus é facilmente transmitido durante as
relações sexuais. A maioria das pessoas infectadas com o vírus recupera sem desenvolver quaisquer sintomas e torna-se imune. Os portadores da infeção correspondem a 10% das pessoas que recuperaram da doença.

Muitas sofrem da chamada hepatite crónica. Estas pessoas em particular têm que ser muito cuidadosas durante a relação sexual. O cenário ideal seria encontrarem uma pessoa imune ao vírus. A imunidade é conseguida através da vacinação contra o vírus. Geralmente, é obrigatória a vacinação das crianças, membros da família de pessoas com infeção crónica e os seus parceiros sexuais, pacientes que efetuem diálise e trabalhadores do sector da saúde.

Outras pessoas são vacinadas por sua iniciativa. Depois da doença se desenvolver não há cura. Alguns medicamentos antivirais são eficazes para alguns pacientes. Esta doença pode, contudo, ser controlada, desde que devidamente monitorizada e acompanhada. Estima-se que afete mais de 100.000 portugueses.

«Calculamos que à volta de 1% da população portuguesa tem o vírus como portador crónico, o que significa que tem sempre consigo o vírus», afirmou, numa intervenção pública, Rui Tato Marinho, presidente da Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado (APEF), em 2009.

Veja na página seguinte: Os maiores perigos da hepatite C

Comentários