Gordura abdominal masculina

Soluções cirúrgicas para os nada saudáveis e inestéticos pneus

O excesso de gordura na região abdominal não é apenas um problema estético. «Vários estudos mostram que os indivíduos com gordura abdominal excessiva têm três vezes mais colesterol elevado e sete vezes mais diabetes do que os indivíduos com perímetro da cintura normais», revela Manuel Carrageta, cardiologista, no seu livro «Como ter um coração saudável».

Segundo o especialista,«um perímetro abdominal no homem igual ou superior a 102 cm implica um risco cardiovascular muito elevado».

Um abdómen volumoso é um dos traços que caracteriza os homens quando entram na idade madura. Se já experimentou melhorar a sua alimentação, ir ao ginásio e deixar as cervejas mas a gordura abdominal mantém-se, existe uma cirurgia que o ajuda a recu­perar um ventre liso.

Os mitos urbanos atribuem a culpa à difamada cerveja, mas esta não é a única culpada pela barriga proeminente de muitos homens. «As principais razões são o sedentarismo, a falta de exercício físi­co e a alimentação incorrecta», esclarece o cirurgião plástico Francisco Melo.

Assim, onde aos 20 anos havia algo que se assemelhava a uma tabelete de chocolate, há agora uma pro­tuberância flácida. Se já tentou de tudo e a barriga não des­aparece, os especialistas propõem eliminá-la definitivamente através da cirurgia.

Abdominoplastiae lipoaspiração

A abdominoplastia e a lipoaspiração são os méto­dos mais eficazes para eliminar as barrigas mas­culinas. «A primeira está indicada quando existe um excesso de pele e esta é pouco elástica ou está muito estriada. Quando a pele tem uma boa qua­lidade a opção será a lipoaspiração», esclarece o cirurgião plástico.

«Como a protusão abdominal no homem é geralmente condicionada, essencialmente, por depósitos de gordura intra-abdo­minal, não é acessível aos métodos de tratamento habituais; e para obter um bom resultado há tam­bém a necessidade de iniciar um regime alimen­tar para perder peso», acrescenta. Assim, a cirur­gia deve ser combinada com a mudança dos há­bitos de vida.

Neste artigo, vamos centrar-nos na abdomino­plastia, que «consiste na remoção cirúrgica de pele e gordura em excesso localizada, geralmen­te, na parte inferior do abdómen», como explica Francisco Melo. A intervenção realiza-se sob anestesia geral ou epidural, praticando-se uma incisão por cima da púbis e que se prolonga até às ancas.

«Geralmen­te, é removido o excesso localizado entre o um­bigo e a púbis, sendo depois a pele remanescen­te (acima do umbigo) esticada para encerrar o defeito criado. No mesmo tempo operatório, pro­cura-se fazer a reconstrução do plano muscular quando necessário», revela o cirurgião plástico.

O resultado não poderia ser melhor: «à remoção do “avental” (dermolipoptose abdominal) e dimi­nuição do volume e da protusão abdominal, jun­ta-se a melhoria da ergonomia, da qualidade de vida, um maior estímulo para a perda de peso e para a prática do exercício físico, reduzindo as­sim o risco cardiovascular», realça.

Comentários