Ginástica respiratória

Técnicas que ajudam a tratar as infecções respiratórias nas crianças

É conhecida vulgarmente por ginástica mas não exige treino físico. Trata-se de um conjunto de técnicas manuais de contracção torácica que ajudam a tratar infecções respiratórias nas crianças, frequentes nesta época do ano.

Com a chegada do tempo frio as crianças ficam mais propensas a contrair infecções respiratórias. O ingresso nas creches e infantários estimula o contágio fácil e rápido. Estas infecções são geralmente provocadas por vírus e, nos bebés mais novos ou com menos defesas, podem afectar as vias respiratórias inferiores e provocar insuficiência respiratória.

Neste artigo, mostramos-lhe como pode ajudar o seu filho a respirar melhor e a prevenir possíveis complicações no futuro através da ginástica respiratória, uma modalidade da fisioterapia respiratória que inclui técnicas de desobstrução brônquica e o treino dos músculos respiratórios. Descubra como simples movimentos no seu corpo podem ajudá-lo.

Para que serve?

Como pode então esta ginástica – que se consubstancia em «simples» movimentos no corpo – melhorar a respiração? A fisioterapeuta Inês Fiúza explica-lhe: «como as infecções do foro respiratório provocam secreções no campo pulmonar que dificultam o transporte do oxigénio, estas técnicas aplicadas no corpo do bebé, vão deslocar as secreções existentes, de modo a que sejam expulsas posteriormente». O resultado traduz-se na optimização do transporte do oxigénio e numa melhoria notável da função respiratória.

Em que casos se aplica?

Pneumonias, bronquiolites e laringotraqueobronquites (infecção da laringe e traqueia) são as infecções respiratórias mais frequentes na infância. No tratamento, as técnicas desenvolvidas pela fisioterapia representam um papel essencial. O fisioterapeuta vai actuar com técnicas manuais específicas para eliminar ou reduzir a desobstrução.

Na bronquiolite, por exemplo, uma doença sazonal com forte incidência nesta fase do ano (de Outubro a Março) e muito comum em crianças até aos dois anos de idade, são usadas técnicas de desobstrução brônquica, executadas por mobilização torácica.

As pressões feitas no corpo do bebé vão permitir desobstruir o aparelho respiratório, aliviando, no momento, os sintomas da infecção e prevenindo, a longo prazo, complicações respiratórias mais graves. «Uma bronquiolite mal tratada poderá deixar sequelas que se poderão traduzir mais tarde em problemas respiratórios», alerta a fisioterapeuta. «Nesta fase de desenvolvimento da criança, o sistema imunitário ainda é muito frágil e, se não for bem cuidado e sustentado, em adulto poderão desenvolver-se doenças do foro respiratório como a asma», explica.

Comentários