Disfunção sexual feminina

As causas e principais soluções da ciência para 4 disfunções que afectam a vida sexual da mulher

A Sociedade Portuguesa de Andrologia, em conjunto com o Laboratório Pfizer, revelou num estudoque 56%das mulheres portuguesas apresenta ou apresentou algum tipo de disfunção sexual.

A mesma investigação refere que, entre estas, 35% tem desejo hipoactivo ou aversão e 32% revela dificuldades em atingir o orgasmo.

Este trabalho envolveu 1.250 mulheres entre os 18 e os 75 anos.

Independentemente das estatísticas, segundo Vaz Santos, urologista, de há uns tempos para cá, começou a haver a necessidade de abordar as disfunções sexuais femininas e de deixar de se pensar, erradamente, que estas doenças afectam apenas os homens.

Estes dados são hoje contemplados pela modernidade de alguns trabalhos como, por exemplo, Basson (2000), que propôs um novo modelo de resposta sexual feminina circular, distinguindo o desejo sexual antecipatório, espontâneo ou endógeno do desejo propiciatório desencadeado pela estimulação sexual.

Nesta nova visão, Lvine refere que 30% das mulheres não têm desejo sexual antecipatório apesar de manterem uma interacção sexual satisfatória quando estimuladas. Significa, portanto, que não são disfuncionantes.

Disfunção sexual no feminino

Existem inúmeras causas para a disfunção sexual feminina que radicam «em problemas dos sistemas vascular, neurológico e endócrino.

A idade tem também um papel preponderante já que existe um marco indelével que é a menopausa. No entanto, o envolvimento social, a estrutura familiar, os princípios religiosos, a experiência sexual prévia e a violência também têm o seu impacto», refere Vaz Santos.

Muitas mulheres têm mais de uma disfunção e mais de uma causa que contribuem para as suas queixas.

«De um modo simplista, o homem, para iniciar a actividade sexual, tem um único “interruptor”. A mulher tem vários “interruptores” que se ligam em sequência especifica para cada mulher.

O facto mais complexo é que a mulher não traz manual de instruções», ironiza Vaz Santos.

Comentários