A vacinação nas farmácias

As farmácias, graças à sua distribuição geográfica e facilidade de acesso, são uma alternativa prática à vacinação no Serviço Nacional de Saúde.

Eis as vantagens de se vacinar na farmácia:

  • O serviço é imediato
  • Não existem filas de espera
  • O horário de atendimento é mais alargado

Para se vacinar numa farmácia basta verificar se esta tem o serviço disponível. Adicionalmente, deve levar a receita médica com a vacina contra a gripe, para que seja possível adquiri-la e para garantir a comparticipação adequada a cada utente.

De outubro de 2016 a março de 2017, foram dispensadas nas farmácias 556.823 vacinas da gripe.

VACINA 2017/2018

Porque os vírus influenza estão em constante mutação, mudando a sua forma a cada época, todos os anos é necessário criar uma nova vacina. As estirpes do vírus influenza isoladas e caracterizadas, mais comuns no ano passado e contra as quais a vacina do ano 2017/2018 protegerá, são:

  • Vírus da gripe tipo A (H1N1)pdm09
  • Vírus da gripe A (H3N2)
  • Vírus da gripe B
PROTEÇÃO ELEVADA

A vacina ajuda o organismo a criar defesas contra o vírus e diminui a probabilidade de contrair gripe. Nos casos em que a infeção ocorre, reduz significativamente a intensidade dos sintomas assim como a possibilidade de complicações.

NÃO CONFERE PROTEÇÃO PARA A VIDA

Como todos os anos o vírus muda, todos os anos é preciso criar uma nova vacina e todos os anos é preciso tomá-la.

NÃO CAUSA A DOENÇA

Pode ter efeitos secundários, mas muito ligeiros e que desaparecem sem qualquer tipo de tratamento: um pouco de dor e vermelhidão no local da injeção, dor de cabeça ou ligeira subida da temperatura corporal. São sinais de que o organismo está a reagir à vacina e a criar as suas defesas.

GRUPOS COM RECOMENDAÇÃO DE VACINAÇÃO

  • Pessoas com 65 anos ou mais
  • Residentes em lares
  • Doentes crónicos ou imunodeprimidos, com seis ou mais meses de idade
  • Profissionais de saúde e prestadores de cuidados a idosos
  • Grávidas, de acordo com o aconselhamento médico

Texto de CEDIME

Saiba mais na Revista Saúda

artigo do parceiro:

Comentários