A importância dos anticoagulantes orais na fibrilhação auricular

Comparticipação consiste num novo capítulo da história da luta contra o AVC em Portugal
Desde 1 de agosto que todos os novos anticoagulantes orais estão comparticipados pelo Estado Português.



Esta comparticipação representa um salto qualitativo para os portugueses que sofrem, entre outras doenças, de fibrilhação auricular (FA), graças à possibilidade de acesso a esta evolução farmacológica, com demonstrada superioridade na redução do risco de acidente vascular cerebral (AVC) e de hemorragias graves, tendo inclusivamente um deles reduzido de forma significativa a mortalidade dos doentes com FA.



Abre-se assim um novo capítulo na história da luta contra o AVC em Portugal, esperando-se nos próximos anos uma redução das mortes e incapacidades por AVC, fruto de uma aposta renovada no controlo dos fatores de risco e no uso mais generalizado dos novos fármacos anticoagulantes orais.



O que é a Fibrilhação Auricular?



A FA é a arritmia cardíaca mais comum, traduzindo-se por um batimento cardíaco irregular que, frequentemente, pode provocar mal-estar e palpitações. Em Portugal, estima-se que 1 em cada 40 adultos sofra de FA, sendo que a probabilidade de uma pessoa sofrer desta condição aumenta com a idade.



Na FA, as duas câmaras superiores do coração (aurículas) não contraem correctamente para bombear o sangue para as câmaras inferiores, os ventrículos. Como resultado, o sangue pode ficar estagnado na aurícula e formar um coágulo. Estes coágulos podem soltar-se, sair do coração através da corrente sanguínea e deslocarem-se para o cérebro, bloqueando o fluxo de sangue e causando um AVC, ou podem deslocar-se para outras partes do corpo, causando um embolismo sistémico.



Muitas vezes os doentes com FA são assintomáticos, o que pode atrasar o diagnóstico, o qual pode ser feito através da realização de um electrocardiograma ou, se a arritmia condicionada pela FA for intermitente, através de um registo electrocardiográfico mais prolongado (também denominado Holter).

Comentários