15 mitos sobre a pílula

Desmistifique alguns dos mitos relacionados com aquele que é um dos contracetivos mais populares do mundo.
créditos: pixabay

A pílula é possivelmente o método de contraceção mais comum no mundo. Alguns mitos e dúvidas ainda persistem sobre este contracetivo. Afinal, a pílula engorda? Dá varizes? Prejudica a pele e os cabelos? Piora o humor?

Para facilitar, selecionámos os 15 mitos mais comuns sobre a pílula. Veja a quantos é capaz de responder corretamente:

1- Parar de tomar pílula pode causar acne? Sim, pode. Os androgénios (hormonas) têm sido implicados na etiologia da acne vulgar, possivelmente por intensificar a hiperceratose folicular. A pílula reduz os níveis sanguíneos de androgénios e, dessa forma, podem colaborar para diminuir a gravidade do acne. Por outro lado, como não existem verdades absolutas na medicina, em algumas raras mulheres, o acne pode ser um efeito colateral da pílula.

2- Certos remédios podem anular o efeito do anticoncecional? Sim. Sabe-se que a ampicilina, por exemplo, um antibiótico bastante comum e utilizado no tratamento de infeções urinárias, faringo-amigdalites e pneumonias, entre outros, pode reduzir a eficácia da pílula. Na senda, vários medicamentos anti-convulsionantes - utilizadas no tratamento de diversas formas de epilepsia - podem diminuir a eficácia dos anticoncecionais orais. Nesses casos, a mulheres devem certificar-se de que o seu contracetivo oral escolhido contem pelo menos 50 microgramas de etinil-estradiol ou mestranol.

3- Mulheres que usam a pílula têm maior risco de cancro da mama e do útero? Vamos por partes. O risco de cancro da mama é praticamente o mesmo entre usuárias e não-usuárias deste contracetivo. Nos tumores malignos do endométrio (camada mais interna do útero) e do ovário, a pílula exerce um efeito protetor – as usuárias da pílula apresentam metade do risco de cancro do endométrio e ovário das não-usuárias.

4- A pílula engorda? Ainda que o aumento de peso esteja entre as queixas mais comuns das mulheres que utilizam a pílula, estudos mostraram que isto pode não ser completamente verdadeiro. Uma pesquisa recente avaliou a variação de peso de 128 mulheres em uso de contracetivos orais durante 4 meses e descobriu que 72% das pacientes não apresentaram qualquer alteração de peso no final do período. Assim, queixar-se de aumento de peso já não é a melhor desculpa para interromper o uso da pílula.

5- A pílula faz mal ao cabelo? Não existem evidências científicas que comprovem este fato.

Comentários