Comer bem em tempo de crise

Saiba como fazer refeições a 1€ por pessoa

Todos os dias ouvimos falar de crise, de FMI, das dificuldades financeiras que os portugueses estão a enfrentar… Se pensarmos nas famílias numerosas, será ainda mais complicada a gestão orçamental. Como podem ter uma alimentação saudável sem gastar muito dinheiro? É possível fintar a crise e continuar a comer bem?

“Sim, conseguimos”. A frase ficou celebrizada pelo Presidente dos EUA, Barack Obama mas pode muito bem ser adaptada a este artigo. Existem várias soluções que mantêm a qualidade da alimentação e que baixam muito o preço final das compras no supermercado. “Como se vê bem na roda dos alimentos, as necessidades de proteínas são muito baixas e por isso a carne, peixe, queijo não têm de ocupar uma grande parte do cabaz de compras (e os ovos são uma óptima alternativa). O cabaz deve conter legumes, saladas e frutas em abundância, uma boa ração de fornecedores de hidratos de carbono (como o pão, massas, arroz...) e alguns lacticínios”, defende Maria Paes Vasconcelos, nutricionista.

Convém não esquecer que, cada um de nós, precisa, por dia de uma quantidade de carne ou peixe que caibam na palma da mão, rondando os 100 gramas nas mulheres e os 150 gramas nos homens. “A sopa deve estar presente ao almoço e ao jantar. A fruta deve ser consumida entre 2 a 4 peças por dia. Os legumes e as saladas em 1-2 refeições, dependendo do tipo de sopa consumida”, esclarece a nutricionista. É preferível usar um bom óleo vegetal em vez de azeite refinado. A somar a estes conselhos, Maria Paes Vasconcelos relembra que “nunca deve estar mais de três horas sem comer”.

E vai mais longe. “Este é o momento de recuperar velhos e saudáveis hábitos, porque não reunir a família e, todos juntos, dedicarem-se às pequenas actividades domésticas (como arranjar legumes)?”, sugere.

Comentários