As vantagens do Ginseng

O ginseng (Panax ginseng) é uma das plantas mais utilizadas na medicina tradicional chinesa. A sua raíz, que, curiosamente, tem uma forma geral que se assemelha à do corpo humano, é utilizada como terapêutica há centenas de anos sendo possível encontrar referências a esta planta em livros de medicina chinesa datados de 43 a.C.

A planta cresce espontâneamente nos vales montanhosos da Ásia, donde é originária.  Existem várias espécies do género Panax mas, para efeitos medicinais, apenas têm interesse o Panax ginseng (ginseng chinês) e o Panax quinquefolius (ginseng americano), de menor teor em princípios ativos em relação ao primeiro.

A medicina chinesa atribui-lhe diversos efeitos como aumentar o fornecimento de sangue aos órgãos, estimular as respostas imunológicas, reforçar a memória, ter propriedades afrodisíacas, ativando, de um modo geral, a energia vital (Chi) tão importante na medicina oriental.

Propriedades medicinais

Esta planta tem sido objeto de numerosas investigações científicas nos últimos anos. A ciência descobriu que ela tem, de facto, propriedades medicinais importantes, sendo as saponinas denominadas por ginsenosidos, as responsáveis pela maior parte dos efeitos terapêuticos constatados. Estes compostos dividem-se, segundo a sua atividade principal, em excitantes e sedativos.

Consoante o extrato empregue, assim pode predominar um ou outro efeito, dependendo da sua maior riqueza nuns ou noutros destes ginsenosidos. É o conteúdo nestes compostos que se utiliza na verificação da qualidade farmacológica dos diversos preparados comerciais. A raiz, dependendo do processo de secagem, tanto pode ter a cor branca como vermelha.

No entanto, são precisos pelo menos seis anos, de forma a que a raíz atinja a maturidade necessária para que, ao ser colhida, forneça o máximo de substâncias ativas. É importante ter presente que os compostos activos se encontram na raiz, devendo esta ser utilizada completa, incluindo as finas raizes laterais onde a concentração de ginsenosidos é maior.

O ginseng aparece no mercado sob diversas formas: extracto, xarope ou tónico, pó, cápsulas e chá. A sua toxicidade parece ser muito baixa e só em ingestões muito prolongadas e elevadas é que têm sido registados efeitos secundários, denominados como sindrome de abuso de ginseng (hipertensão, distúrbios do sono e nervosismo).

Não existe dose diária recomendada mas a Farmacopeia Alemã aconselha uma dose diária de 1-2g de raíz seca ou o equivalente noutras preparações. Como os efeitos aparecem gradualmente, o seu uso deve fazer-se por períodos de um a três meses. Se for necessário repetir o tratamento, deve fazer-se um intervalo de dois a três meses para que o organismo não deixe de responder ao seu estímulo.

Comentários