Utentes de Leiria pedem mais médicos

Trinta pessoas concentraram-se esta quarta-feira junto à extensão de saúde da Maceira, no concelho de Leiria, num protesto para alertar para a falta de médicos de família que afeta centenas de pessoas da freguesia.
créditos: LUSA/Tiago Petinga

Junto ao edifício, que hoje surgiu com uma corrente na porta e com fitas amarelas onde se lia “atenção gás”, mas que abriu normalmente, juntaram-se utentes, sobretudo idosos, e ouviram-se críticas face a uma situação que dizem arrastar-se há pelo menos dois anos.

“As pessoas estão sem médico de família há um ano, outros há dois anos”, disse à agência Lusa Rui Alves, que organizou o protesto, depois de a sua mãe ter tentado marcar na segunda-feira uma consulta, sem sucesso, por não ter médico de família.

Rui Alves adiantou que o protesto “é para dar voz às pessoas que não a têm e que já desistiram de lutar porque acham que não vale a pena”, considerando que “o acesso à assistência médica é um direito fundamental”.

Para o morador na freguesia, a consulta no centro de saúde Arnaldo Sampaio, em Marrazes, não é alternativa, porque “dista 20 quilómetros da Maceira”, sendo que muitas das pessoas não têm forma de lá chegar.

“Se temos um posto médico não é para fazer de faz de conta”, salientou.

Manuel Vaz, de 86 anos, afirmou à Lusa que por várias vezes se deslocou à extensão de saúde, mas não tem tido consulta por não ter médico, adiantando que “até para passarem as receitas” já teve de “esperar mês e meio”.

“Mandam-me para Marrazes, mas não tenho dinheiro, nem carro para ir”, desabafou, referindo que, devido a esta situação, tem recorrido ao hospital de Leiria.

O mesmo faz José Tojal, de 65 anos: “Chamo a ambulância e vou para o hospital”, afiançou.

Comentários