Substância revela-se promissora na recuperação de lesões na medula espinal

Uma nova substância, testada em ratos, revelou-se promissora na recuperação de funções perdidas na sequência de lesões na medula espinal, conclui um estudo publicado na revista Nature.

O composto, denominado ISP, que atua nos péptidos (biomoléculas formadas pela ligação de dois ou mais aminoácidos) que se produzem no interior das células, ajudou roedores, com lesões graves na medula espinal, a recuperarem a capacidade de urinar ou fazer movimentos.

Os cientistas que encabeçaram a investigação, da Case Western Reserve University, em Cleveland, nos Estados Unidos da América, ressalvam que são necessários mais estudos, apesar de os resultados representarem uma esperança para futuros tratamentos em humanos.

O trabalho procurou formas de resolver o dilema de quando as fibras nervosas da medula espinal estão danificadas e os sinais emitidos pelo cérebro não chegam aos músculos abaixo da zona lesionada.

As fibras nervosas tentam atravessar a área lesionada e ligar-se a outras fibras, mas ficam encurraladas devido aos proteoglicanos, proteínas que existem no interior das células.

A nova substância, ISP, foi concebida para agir no recetor das biomoléculas na superfície das células nervosas. Tal como um interruptor, "apaga" a resposta aos proteoglicanos, que causam o bloqueio.

Comentários