Sindicato dos enfermeiros mantém greve apesar do apelo da tutela

O Ministério da Saúde pediu ao Sindicato dos Enfermeiros para reconsiderar as datas da greve nacional, marcada para esta sexta-feira e para dia 21. Estrutura sindical decidiu que mantém os dias dias de greve, como programado.
créditos: PEDRO NUNES/LUSA

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) esteve reunido esta manhã para decidir que resposta dar ao apelo do Ministério da Saúde, tendo em conta o cenário extraordinário do surto de legionella.

Porém a resposta foi contra o pedido do Governo, que José Carlos Martins, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, achou "no mínimo curioso".

A decisão foi anunciada em conferência de imprensa, no final de uma reunião dos dirigentes do SEP.

O responsável disse ainda que hoje, às 17h30, está prevista uma nova reunião onde serão tomadas medidas para reforçar os hospitais com casos de legionella.

"Todos os cuidados que forem necessários serão garantidos", garantiu José Carlos Martins, referindo-se aos doentes com infeção por legionella.

Numa carta, com data de quarta-feira, o Ministério afirma recear que a greve, a acontecer nos dias anunciados, "possa comprometer a prestação de cuidados de saúde", considerando que estão em causa "necessidades em saúde indispensáveis e inadiáveis".

Este surto de legionella já é considerado o terceiro mais grave do mundo. Uma semana depois dos primeiros casos, ainda não sabe a origem do surto.

O diretor geral da Saúde anunciou que os resultados das análises que determinarão a fonte do surto de legionella poderão ser conhecidos esta quinta-feira e lembrou que desde domingo "a população não corre riscos na zona afetada".

O SEP anunciou no início da semana uma greve nacional de dois dias, esta sexta-feira e dia 21 deste mês, em protesto pelos cortes salariais nas horas extraordinárias, exigindo a progressão na carreira e a reposição das 35 horas de trabalho semanais.

O surto de legionella com origem no concelho de Vila Franca de Xira infetou, até quarta-feira, 302 pessoas e o número de mortos pode subir para nove, segundo dados oficiais.

artigo do parceiro: Nuno Noronha

Comentários